sexta-feira, 11 de abril de 2014

2013, segundo semestre.

Adiei, adiei e acabei não postando mais nada.
Reuni aqui algumas das coisas mais relevantes que aconteceram no segundo semestre de 2013.

*

Textos publicados
-Conto no Cândido

-Conto na Antologia Se7e : Anões

-Conto na Lado7 n.5
 
-Conto na Acrobata n.2
https://www.facebook.com/revistacrobata

-Conto no Balaio de Notícias (Eu queria comprar pão)

-Conto no Outras palavras

-Poemas no Mallarmargens


Traduções
-Conto "Amores e um século", em inglês, na antologia "Contemporary Brazilian Short Stories (CBSS) Vol.2"
http://ewordnews.com/literary-news/2014/1/14/book-release-contemporary-brazilian-short-stories-vol-2

-Conto "Uma xícara de chá" traduzido para o basco e para o catalão, na revista espanhola 2384. Este mesmo conto já havia saído em espanhol em um número anterior da revista, o no.4.
Dá pra ver no issuu ou em pdf.

-Matéria escrita por Michael Kegler para o site de cultura alemão Faust-Kultur. Além de um texto sobre mim, tem a tradução do "Uma xícara de chá" e um trecho do "Ovelhas Amargas".
http://faustkultur.de/1340-0-Brasilien-Rafael-Sperling.html#.Uh9PIbxExEs

(Aí vai, em letras minúsculas [pra não ocupar muito espaço no post], a tradução da matéria, feita por Gabriel Dirma Leitão)
Na feira do livro deste ano o Brasil será o país convidado de honra. A Faust-Kultur aproveita a ocasião para apresentar autores que escrevem em língua portuguesa. Michael Kegler acompanha essa tônica na literatura lusófona e apresenta autores em perfis introdutórios, conversas e trechos de seus livros.

Rafael Sperling está entre os mais jovens autores dessa série. Ele encontrou para além da música o caminho para a escrita. O autor, nascido no Rio de Janeiro em 1985, estudou Composição na Universidade Federal do Rio de Janeiro e trabalhou como compositor e produtor musical. Michael Kegler descreve-o em seu perfil como o "brincalhão malcriado da literatura brasileira".

SÉRIE: LITERATURA LUSÓFONA V

Rafael Sperling – Momentânea indeterminabilidade 

A nova literatura brasileira é jovem, extraordinária, por vezes berrante, e não segue tendências definidas, mas em grande parte projetos individuais. Um autor ao qual essas características correspondem particularmente bem é Rafael Sperling (1985), músico e produtor, que lançou em 2011 seu primeiro volume de contos, "Festa na Usina Nuclear", e tem sido visto por muitos críticos como expressão literária de uma "momentânea indeterminabilidade" da literatura brasileira.
"Surrealismo", diagnosticam uns; outros creem reconhecer uma clara influência dos primeiros pós-modernos norte-americanos. Sperling responde que tem lido um bocado, principalmente desde que escreveu esse livro, mas que na verdade ainda não conheceu muitas de suas supostas influências literárias. Ao menos ele há de ter lido André Sant’Anna, o decano dos atuais jovens bárbaros do Brasil, que escreveu também a orelha para seu livro. Além disso ele vem publicando regularmente contos e microcontos em diversas mídias brasileiras e eventualmente também no exterior. Em alemão apareceu, na última primavera, na revista austríaca Lichtungen, o grotesco "O juiz que queria ser artista plástico", no qual um meteorito destrói o mundo enquanto um juiz de futebol que gostaria de ter sido artista reflete sobre sua vida malsucedida, e tudo o que resta da humanidade após o impacto é a malograda escultura de um atleta que o artista fracassado pretendia finalizar em algum momento. Em outra história, Jesus Cristo dá uma surra em Hitler para castigá-lo, mas acaba encontrando mais e mais prazer com a violência, terminando por tornar-se ele mesmo a própria besta. Sperling aprecia as coisas extremas e elementares: violência, sexualidade, exageros, a loucura cotidiana que ele exacerba com certo prazer pela provocação. Considerá-lo por isso o brincalhão malcriado da literatura brasileira é algo que se pode fazer devido à sua ainda jovem idade.



Entrevistas
-Entrevista para a rádio MEC com o colega Gabriel Pardal.

-Fiz uma pequena participação (entre 04:29 e 05:37) nessa edição do Globo News Literatura. No programa, Flávia Iriarte fala sobre a Oito e meio, e há também um depoimento do Marcelo Mirisola.
globotv.globo.com/globonews/globonews-literatura/t/todos-os-videos/v/veja-historia-de-duas-pequenas-editoras/2854020/ 

-Entrevista publicado no blog do Ciro Pessoa. Um pequeno trecho saiu na matéria da Folha sobre jovens autores surrealistas.
http://bloguedopessoa.tumblr.com/post/49864456155/festa-na-usina-nuclear-entrevista-com-rafael-sperling


Música
-Estreou em 2013 “Bonitinha, mas Ordinária”, baseado na obra de Nelson Rodrigues, com direção de Moacyr Góes. Fiz a trilha sonora do filme com Ary Sperling e Leonardo Sperling (e participação de Rogerio Meanda). O elenco contou com Leandra Leal, Letícia Colin e João Miguel, que ganhou o prêmio de melhor ator no festival Cine PE.
http://globofilmes.globo.com/noticia-661-filme-com-leandra-leal-e-joao-miguel-estreia-em-maio.htm 
http://www.youtube.com/watch?v=sifEgNekxAA 

-Coloquei mais algumas músicas no meu soundcloud. A primeira foi feita à partir da trilha de um curta para o qual fiz músicas. A segunda é uma música feita por alguém com problemas mentais (eu).
https://soundcloud.com/rafaelsperling/suite-ao-meu-redor
https://soundcloud.com/rafaelsperling/can-o-de-amor-love-song


???
-Atuei nesse teaser/curta do Cláudio Cabral, feito para divulgar o lançamento de seu livro. Ficou bizarro, mas enfim. Essa era a ideia.
http://www.youtube.com/watch?v=ZPFZ-a75DDM



quarta-feira, 17 de julho de 2013

Matéria na Folha de S. Paulo

Em maio, participei de uma matéria na Folha de S. Paulo falando sobre jovens autores influenciados pelo surrealismo. A matéria pode ser lida aqui: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/05/1272961-jovens-autores-se-enredam-por-um-novo-surrealismo.shtml



Vale lembrar também a matéria em que saí, em janeiro, no Valor Econômico, com pauta semelhante:
http://www.valor.com.br/cultura/2954552/surrealismo-inspira-escritores-brasileiros

Off Flip 2013

Participei, no dia 4 de julho, de uma mesa na Off Flip com Godofredo De Oliveira Neto, Miriam Mambrini e mediação de Valéria Martins. Conversamos com o público sobre o ato de escrever, nossos livros mais recentes (no meu caso, o único livro até então), e o começo da carreira (ou seja, no meu caso, como comecei a escrever aqui neste blog).
 


Último registro meu em Paraty. Retrata o momento em que achei uma caipirinha de dois dias antes, perdida no quarto da pousada.


terça-feira, 16 de abril de 2013

Entrevista - TV Senado (Leituras)





Entrevista para o programa Leituras, da TV Senado, exibido originalmente em 30/03/2013.

Falo sobre o Festa na usina nuclear, sobre a antologia É assim que o mundo acaba, sobre ser músico e sobre os livros que estou escrevendo (ou pelo menos tentando). (O arquivo do programa disponibilizado pela TV Senado veio com alguns problemas no áudio, infelizmente, mas dá pra assistir)

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Revista Machado de Assis e mais





http://www.machadodeassismagazine.bn.br/edition-2/editions-text-fiesta-en-la-usina-nuclear.php 

*

Participei de uma matéria do jornal Valor Econômico sobre surrealismo inspirando escritores brasileiros. Também participaram Juliana Frank, Reinaldo Moraes, Claudio Willer, Chiu Yi Chih e Augusto Guimaraens Cavalcanti.
http://www.valor.com.br/cultura/2954552/surrealismo-inspira-escritores-brasileiros


*

Ainda em janeiro, gravei uma entrevista para o programa Leituras, da Tv Senado, com Maurício Melo Júnior. Quando for ao ar coloco aqui no blog.

*

O meu conto Um homem chamado Homem saiu nessa nova publicação, Revista Roda.
http://issuu.com/revista_roda/docs/roda_zero_issuu


_____________________________


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

2012 revisitado

Após milhares e milhares de meses, cá estou eu outra vez para salvar o blog do abandono infinito. Faço aqui um resumo do que aconteceu de bom nos últimos seis meses do ano passado.


***



Em dezembro, saí na antologia "É assim que o mundo acaba", da Editora Oito e meio, da qual participei com o conto "O juiz que queria ser artista plástico".


*

Meu conto Amores e um século foi vertido para o inglês pela equipe do site Contemporary Brazilian Short Stories
https://sites.google.com/site/brazilianstories/brazilian-stories/loves-and-a-century

*

Em setembro, mais uma resenha saiu, para o blog Catálise Crítica.
http://catalisecritica.wordpress.com/2012/09/02/festa-na-usina-nuclear-rafael-sperling/

*

Saíram alguns contos meu no Germina Literatura
http://www.germinaliteratura.com.br/2012/rafael_sperling.htm

*

Ronaldo Cagiano, em sua coluna no jornal Diário da Manhã, escreveu sobre literatura brasileira e o meu Festa na usina nuclear.
http://www.dm.com.br/texto/76345-o-bom-momento-da-ficcao-brasileira

*

Participei ajudando na trilha da peça "K - Uma leitura d'O Castelo", do Moacyr Góes


*

Participei do Labirinto Poético lendo alguns contos e tentativas de traduções minhas.




*

Foi lançada a Revista Arraia PajéurBR, número 4, da qual participei com dois contos na "Contologia/Poemantologia", que vem junto com a revista. Essa é uma antologia de contos e poemas publicados no portal Cronópios.

*

Saiu no Rascunho uma matéria bem legal sobre os atuais contistas brasileiros. Foram destacados 8 livros de todos os inscritos na categoria de contos do primeiro Prêmio Brasília de Literatura (2012), e dentre os 8 ficou o Festa na usina nuclear.
http://rascunho.gazetadopovo.com.br/painel-do-conto-brasileiro/

*

A escritora Angela Dutra de Meneses escreveu em sua coluna comentando sobre a leitura do Festa na usina nuclear, dentre outros livros.
http://www.annaramalho.com.br/news/amigos-da-anna/angela-dutra-de-menezes/9966-usina-nuclear-medieval.html

*

O projeto Humanidade 2012, que aconteceu em paralelo ao Rio+20, pediu a diversas personalidades brasileiras, como Fernando Henrique Cardoso, Caetano Veloso, Jô Soares, que indicassem livros para compor a Biblioteca Terezinha Gonzaga Ferreira, criada para o evento. Fiquei feliz em saber que o poeta Chacal indicou meu livro Festa na usina nuclear em sua pequena lista, que continha autores como Guimarães Rosa, Nabokov, Voltaire, e contemporâneos como Bruna Beber, Haroldo de Campos e Ferreira Gullar.

http://www.humanidade2012.net/noticia/veja-a-lista-completa-de-livros-indicados-por-34-personalidades-brasileiras-para-a-biblioteca-do-humanidade-2012/#.UQHQsPKKzTp

*

Em julho, um comercial com música minha concorreu com outros do mundo todo na categoria competitiva "Portifolio", do Anima Mundi. Por acaso tem ele aqui no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=ABMNDZipXgY

*

Saí numa foto com o pessoal do Clube da Leitura, em uma matéria para o caderno Zona Sul, do Globo. Vale lembrar que saiu ano passado uma segunda antologia do coletivo, Clube da Leitura Vol II (Ed. Flâneur), da qual participo com um conto. Segue a matéria (a foto só saiu na edição impressa):
http://oglobo.globo.com/zona-sul/descubra-roteiro-da-leitura-coletiva-na-zona-sul-5726728


*

Abandonei meu antigo Myspace e agora estou usando o Soundcloud, colocando esporadicamente alguma música minha.
https://soundcloud.com/rafaelsperling



segunda-feira, 18 de junho de 2012

Um ano de Festa na Usina Nuclear + Análise filosófica

Dia 14 de junho fez um ano que o Festa na Usina Nuclear foi lançado. Nesse meio tempo aconteceu muita coisa legal: viajei, conheci gente interessante, publiquei em revista, jornal, fui convidado para antologias, dei entrevistas, algumas pessoas começaram a me apresentar como "escritor"... Assim fica até parecendo que eu sou escritor de verdade, e não um alucinado que só escreve maluquice. Minha dúvida é se há realmente alguma diferença entre uma coisa e outra.

Aproveitando a ocasião posto aqui uma espécie análise filosófica sobre o livro, que recebi semana passada, escrita pelo poeta e filósofo Felipe G. A. Moreira; acho que ficou bem interessante. O blog dele é http://aplasticabesta.blogspot.com.br/


 ***





SOBRE O LIVRO FESTA NA USINA NUCLEAR DE RAFAEL SPERLING

Por Felipe Gustavo Alves Moreira


Minha “tese" sobre Festa na usina nuclear, de Rafael Sperling é que esse livro é “maravilhozinho” (na sua ingenuidade). Eu vou tentar desenvolver esse ponto pseudo-conceitualmente.


1. SE FESTA NA USINA DE RAFAEL SPERLING FOSSE UM ARGUMENTO
FILOSÓFICO...

Ele poderia ser pensando nos seguintes termos:

(1) Há uma mesmificação da sensibilidade.
(2) Há um non-sense onírico
(3) Há tensão entre (1) e (2).
(4) Há tensão entre (1) e (2) e isso é tudo.
Logo, a função do escritor é poeticamente porno-bem humoradamente explorar que (4) é
tudo que existe ontologicamente.

Chame esse argumento de Argumento Rafael Sperling.



2. JUSTIFICATIVA

Eu defino (1) mesmificação da sensibilidade como uma apreensão do mundo em termos gerais. Para descrever essa mesmificação da sensibilidade, Rafael Sperling “argumenta” que é preciso (a) rejeitar um dos procedimentos literários dos mais tradicionais (visto que mesmo na Ilíada e na Odisséia, pode-se encontrar esse procedimento), a saber: a descrição de personagens em termos de nome próprio (Aquiles, Don Casmurro, Diadorim, etc) e predicados que o singularizem (tipo “ponto fraco é o calcanhar”, “tem ciúmes de Capitu”, “é vesgo”, etc) e (b) abraçar um procedimento literário relativamente novo, a saber: descrição de personagens em termos gerais e predicados gerais. Eu afirmo que essa mesmificação da sensibilidade perpassa todos os contos. Veja a sequência de textos de “Um homem chamado homem 1, 2 e 3”. Mas considere frases de outros contos tais como “abraçou a pessoa” (p.38), “um homem viajou ao extremo oriente” (p.42), “a Secretária Loura, Bronzeada Pelo Sol, entornaria se estivesse com o Empresário Bem Sucedido De Gravata Azul De Listras Laranjas” (p.64). Eu defino (2) non- sense onírico como uma série de acontecimentos que não parecem seguir nenhum estrutura lógica e que (segundo o homem do senso comum que tem a sensibilidade mesmificada) não ocorrem no mundo real, mas apenas no sonho. Para descrever esse non-sense onírico, Rafael Sperling “argumenta” que é preciso seguir os surrealistas e conceber todo tipo de situação inusitada. Tipo: um bebê que quer transar com uma prostituta. Eu afirmo que esse non-sense onírico também perpassa todos os contos do livro. Ver p.38., p.46, p.64, p. 87, p. 93, p.98, p.101, etc. Se (1) e (2) estão presentes no livro, eu tomo como óbvio que existe uma (3) tensão entre eles. Os surrealistas dariam um passo além de (3) e defenderiam a tese surrealista que (1) é uma aparência; e (2) é uma essência e concluiriam que a função do escritor é revelar esse non-sense onírico que é a essência do mundo. É possível dizer que Rafael Sperling meramente repete ingenuamente a tese surrealista durante o livro todo. Mas eu quero fazer aqui o papel do leitor de boa vontade e aferir a Rafael Sperling uma maturidade literário / filosófica. Logo, eu vou dizer que Rafael Sperling tem consciência da tese surrealista e defende a tese surrealista sutil expressa pela premissa (4): i.e., só há tensão entre (1) e (2), mas o primeiro não é uma aparência que esconde uma essência determinada por (2); (1) e (2) são tão aparentes quanto essenciais; o embate entre eles é tudo que há.


3. MAS É ÓBVIO QUE FESTA NA USINA DE RAFAEL SPERLING NÃO É UM
ARGUMENTO FILOSÓFICO...

Rafel Sperling não é filósofo. Ele não quer provar o Argumento Rafael Sperling. Na verdade, ele propõe que experienciemos esse argumento esteticamente. Logo, não adianta avaliar essas premissas epistemogicalmente (p.ex., em termos de verdadeiro e falso), ou eticamente (p.ex., em termos de bem e mal, ou certo e errado, etc.). É preciso avaliar essas premissas esteticamente. Um modo de fazer isso é pensando essas premissas em termos de saúde e doença qualitativas. Pense em saúde qualitativa como um evento mental intrinsico experienciado como fortunado a partir do ponto de vista da primeira pessoa: um whatitisliketobe (ou comoéqueéqueéser) evento mental com um valor não verbal positivo. Pense em doença qualitativa como um evento mental intrinsico experienciado como desfortunado a partir do ponto de vista da primeira pessoa: um whatitisliketobe (ou comoéqueéqueéser) evento mental com um valor não verbal negativo. De agora em diante, entenda saúde e doença nesses termos definidos acima.


4. NOVE EM DEZ ARTISTAS RESPONDEM AO QUE EU FIZ ACIMA
EXPRESSANDO UMA SAÚDE PARA ELES (MAS UMA DOENÇA PARA MIM)
QUE DIZ QUE...

“Puxa, eu não tinha pensado nisso; mas o fato de você ter pensando não importa. Porque eu sou um artista a-conceitual, que meramente intui tudo aquilo que é e permite que qualquer um desenvolva todo tipo de leitura sobre a minha obra, que é necessariamente aberta; falar meramente Like no facebook ou qualquer outra coisa seria uma apreensão tão interessante quanto a sua para mim”. Chame essa de a Resposta do Artista Cretino. Eu acho que Rafael Sperling pensa assim, porque quase todos os escritores e artistas atuais pensam assim e não há nada em seu livro que aponte para uma outra posição do artista. Mas eu não posso dizer com certeza se Rafael Sperling pensa ou não pensa assim. Então...


5. SE RAFAEL SPERLING ACEITA A RESPOSTA DO ARTISTA CRETINO
COMO SAUDÁVEL, EU DIRIA...

Eu também participei da Escola da Arte de Salvador Dali e se você acha dogmaticamente que tem as intuições do bom escritor, eu me acho gênio e tenho as intuições a-conceituais do gênio; se você se acha gênio, eu me acho Deus e tenho as intuições a-conceituais de Deus; se você se acha Deus, eu me acho um Deus superior; se você se acha um Deus superior, eu me acho DEUSES SUPERIORES.... E se eu soubesse que você acredita nessa lenga-lenga, eu não teria escrito nada. Porque eu já cheguei a conclusão que não vale a pena escrever esse tipo de texto para artistas que seguem caninamente a resposta do artista cretino sem perceber que ela meramente repete dogmas modernistas. Entre artistas cretinos, é preciso se tornar um artistas cretino também tal como eles e ficar fazendo guerra de ego.



6. MAS SE RAFAEL SPERLING NÃO ACEITA A RESPOSTA DO
ARTISTA CRETINO COMO SAUDÁVEL E COMPARTILHA A
SAÚDE (OU, DEPENDENDO DA PERSPECTIVA, A DOENÇA) DE
QUERER CONCEITUALIZAR OBRAS DE ARTE E DISCUTI-LAS
CONCEITUALMENTE COMO EU TENTEI FAZER AQUI, EU DIRIA...

Que eu o considero como um aliado no nível meta-artístico. Considerando que nível meta-artístico engloba todo tipo de apreensão da arte; da crítica acadêmica ao jornal, do facebook ao mercado editorial, etc.


7. MAS NO NÍVEL ARTÍSTICO / FILOSÓFICO...

Minha objeção poético / filosófica é que a ontologia que o Argumento Rafael Sperling nos propõe experienciar artisticamente é muito (para falar como Quine) desértica ou (para falar como Heidegger) pobre de mundo. Eu classifico como ingênua a premissa (4) Há tensão entre (1) e (2) e isso é tudo –– note que eu assumi que ele não é ingênuo de assumir meramente a tese surrealista, meu ponto é que mesmo a tese surrealista sutil é ingênua. A premissa (4) é tão ingênua que o maravilhoso vira um “maravilhozinho” que reduz a pluralidade do mundo a algo muito simples. Há tensão entre (1) e (2), mas isso não é tudo que há: há mais coisas entre o céu e a terra que a vã filosofia / poética de Rafael Sperling explora. Eu tomo essa posição porque eu assumo que (a) tudo que é concebível (isto é, que não envolve contradição), existe fenomenalmente no mundo atual. O âmbito do concebível é quase infinito. Ele não se reduz a uma mesmificação da sensibilidade como Rafael Sperling parece acreditar, ainda que essa também exista; (b) tudo que é inconcebível (isto é, que envolve contradição), existe fenomenalmente no mundo atual. O âmbito do inconcebível também é quase infinito. Ele não se reduz ao non-sense onírico como Rafael Sperling também parece acreditar; (c) tudo que é vago (impossível de determinar se é concebível ou inconcebível), existe fenomenalmente no mundo atual. O domínio do vago também é quase infinito, mas Rafael Sperling parece negar sua existência –– ver, sobretudo, o conto Lado Obscuro das Emoções nesse viés, conto no qual ele não considera que existe a experiência fenomenal de sentir-se, por assim dizer, estranho, sem saber se melancólico ou alegre; (d) a conjunção de (a), (b) e (c) é tudo que existe. Logo, a função do poeta é descrever não apenas porno-bem humoradamente, mas também depressivamente, conceitualmente, violentamente, constrangedoramente... e de todos os modos concebíveis, inconcebíveis e vagos que existem (d). Chame (d) de ontologia barroca e oponha (d) à ontologia desértica / pobre de mundo de Rafael Sperling.



CONCLUSÃO

Festa na usina nuclear, de Rafael Sperling, é “maravilhozinho” (na sua ingenuidade).

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Festipoa, novidades antigas e outras nem tanto


Não atualizava o blog há seis(!) meses, mas cá estou de volta, tentando tirar a poeira desta coisa, trazendo novidades antigas (e outras nem tanto).

Participei mês passado da Festipoa, a festa literária de Porto Alegre; no dia 21 de abril lancei meu livro juntamente com Gabriel Pardal e Diego Grando, e no dia 22 estive na Palavraria lendo alguns contos. Algumas fotos do dia 22:

Fazendo a leitura dos contos na Palavraria
 
Sendo apresentado ao público pelo Fernando Ramos