sábado, 13 de junho de 2009

Eternamente Seu

.
.
Existe algo de estranho

De misterioso

Não sei bem o que é

Apenas sei

O que não é



.....Horus é um homem apaixonado. Apaixonado pela vida. Ama sua família, seus amigos. Ama seu emprego e seus deveres. É um homem que acredita que se deve amar, que esse é o sentido da vida. Dar amor ao mundo. Acha que o amor vai curar todas a mazelas e sofrimentos.
.....Ele caminha no parque ensolarado. Ouve o cantar dos passarinhos. Que júbilo é o viver! Sente a grama sob seus pés descalços. Entra em contato com a Mãe maior. A Mãe de todos. Essa pela qual é apaixonado: a Mãe Natureza.
.....Horus Fleursdein é casado com Clonérie. Uma linda mulher. Ruiva, de olhos grandes e expressivos. Corpo esbelto, e feições delicadas. Um bom senso de humor. E muito carinhosa. Assim como era sua mãe.
.....Eles se amam de forma intensa por longos cinco anos. Para eles foram apenas alguns segundos. Tudo que é bom passa rápido. Assim como a vida da mãe de Horus. Tébia morreu quando ele tinha apenas 6 anos. Nunca se esqueceu da última imagem de sua mãe, deitada na cama, segurando sua mão. Ela disse "que iriam se reencontrar, que ele devia esperar o dia em que estariam juntos novamente, unidos, como um".
.....Certo dia Horus acorda estranho. O canto dos passarinhos não é mais tão belo como fora um dia. Nem a vida tão cheia de amores.
.....-O que houve?
.....-Sonhei com minha mãe.
.....-E o que acontecia?
.....-Ela me chamava.
.....-Não ligue para esses sonhos, esqueça-os. Eles te fazem mal.
.....-Não. Dessa vez não parecia um sonho. Era muito real. Era como se ela realmente estivesse aqui conosco. Eu estava aqui mesmo, deitado em nossa cama. Ela me acordou, e falou baixo, para que você não acordasse... Não, na verdade, me lembrando melhor, você não estava na cama. Ela falava baixo, mas você não estava. Podia sentir sua presença mas não podia vê-la. Via apenas minha mãe.
.....Horus começa a se sentir mal, nos dias que se seguem. Não consegue trabalhar direito. Pensa muito em sua mãe. Ela domina seus pensamentos. Clonérie começa a ficar preocupada, pois seu marido a olha de um forma estranha. Seus olhos ainda brilham por ela, mas é um brilho diferente. É um brilho infantil.
.....Um belo dia, Horus some. Desaparece. Sem deixar rastros. Clonérie acorda e ainda sente o calor de seu marido na cama. À noite começa a se preocupar. No dia seguinte liga para a polícia. E para os parentes e amigos mais próximos. Ninguém sabe de nada. Ninguém sabe por onde anda Horus. "Será que fugiu com uma amante?", pensa. Não, não pode ser. Eram unidos demais para que isso acontecesse.
.....Após algumas semanas de sofrimento Clonérie desiste, e começa a se acostumar com a ideia de que não mais irá reencontrar seu marido. Ao mesmo tempo descobre que está grávida. "Mas eu estava tomando pílula!" ela diz ao seu médico. Clonérie resolve não abortar, afinal de contas, seu marido iria querer ter esse filho, que há muito planejavam.
.....A barriga de Clonérie ficou enorme. Imensa. Seu médico lhe disse que nunca havia visto algo igual. Era um menino. "Um meninão!", diziam,"grande como o pai!".
.....No nono mês a sua barriga está tão grande que mal consegue caminhar. Ela acaricia sua barriga, e conversa bastante com o bebê. Até que sua bolsa estoura. Sente fortes dores. Ela está sozinha em casa. Tenta alcançar o telefone, mas cai no chão. Grita, mas não é ouvida. Sua casa é muito grande e distante da dos vizinhos, que não a podem escutar. Tenta se levantar mas não consegue. Ela sente que ele está vindo. É agora.
.....Clonérie acorda. Sente muita dor, e percebe que seu bebê já foi parido. Abre os olhos. Ouve o belo canto dos pássaros. Consegue ver pela janela um belo dia ensolarado, como Horus tanto gostava. Ela se vira, e enxerga seu filho.
.....-Mãe, eu te amo - diz Horus .

62 comentários:

Mai disse...

Mitos na modernidade?
Artifícios ecológicos em um conto fabuloso. Mais que ficção e de tão surreais, teus textos ganham o cunho de realidade do absurdo a que tudo se reduz. A 'reificação de tudo' um Game descrito em forma de conto...Todas as regras desaparecem - aqui, a ordem é o próprio caos.
.
Mas foi exatamente isto que me chamou a atenção em teu registro literário, Rafael.
Tu consegues ser Original apesar de escreveres sobre isto que dizemos ser a banalização de tudo, o caos do mundo.
.
Um tempo destacado da história e dos conteúdos existenciais - Imagem e tempo em um mundo virtual.
Tu consegues articular muitos conteúdos em teu conto ficcional.
Isto é condensação - muito conteúdo em um texto, relativamente pequeno.
Denso. Eu ousaria dizer que aqui temos o privilégio de ler um espetáculo virtual.
Seria verossímil na pós modernidade. Personagens de um mundo virtual como se fossem espectros em um game.
Já pensaste em criar games?

Muito, muito bom.
Brilhante!

P.S. Sobre te seguir: Eu clico para seguir, faço login, digito senha e aparece meu ícone e depois eu sumo do painel assim como teus personagens... hahahaha....não consigo vizualizar meu ícone e já cliquei por duas vezes para te seguir. Não, não leio nenhuma mensagem de erro. Verifica se meu ícone não estiver em teu rol de seguidores, voltarei para dar um novo input.

Abraços,
Mai

Gisa Dias* disse...

Rafa, nada v, vc não sentidos tbm?
Então!!!!



bjokas*

Magnólia-menina disse...

Surpriendente esse teu texto!
Muito bom mesmo! :) Um abraço...

ana/gecko disse...

o que foi esse final?

Fuskiinha disse...

Boom demais.! (:

Louis # disse...

Qndo escreve é cativante! Me facina, me prende a leitura, porém eu me esforço buscando compreender, mas é tão dificil! Um dia vou conseguir! hehehe ^^

Ps: obrigado pelos comentários no meu blog! volte sempre...

-Duda disse...

chocante :O
um blog maravilhoso ! amei o eu jeito de escrver a intensidade de cada palavra uma coisa cativante *-*

obg pela visita e volte sempre :D

Taline disse...

Não entendi esse texto :s
Er... Ele sonhou com a mãe, sua mulher se parecia com ela... Boiei literalmente =/
Pois é, pular na hora errada é 'ótimo', principalmente quando tem platéia que acabam por descobrir que estão vendo uma louca :O
Tchau ;D

Carol Duca. disse...

Usou do que ?

Layana. disse...

Eu gostei, é criativo e sentimental. Romantico! Mas percebi que o dono do blog é que é assim :D
você me disse em forma de comentário que ainda faz serenatas... Então atenda esse pedida de uma leitora do seu blog, totalmente estranha e alheia: NÃO PERCA ESSE AMOR DE VIVER, assim como Horus tinha, acorde todos os dias e lembre-se de que o existir é um grande misterio que precisa ser desvendado todos os dias, e para isso a alma precisa estar amando!

Beijos. ganhou uma seguidora.

☆ Sandra C. disse...

que louco..
que coisa cíclica.
e eu adoro a escrita quando ela tem esse tipo de criatividade.
mas, principalmente, Rafael, o que eu mais gosto e sinto nos teus textos: a liberdade.
mas não é uma liberdade 'sem escrúpulos'. é uma liberdade contida nos temas em que vc seleciona e desenvolve.. e acaba por linkar com tantos outros assuntos e... finalmente.. volta ao ponto inicial e eu termino por me aliviar em seus textos, pois, como disse, são cíclicos... como a rotina.

adoooro, nota 10, Rafael!

http://doodleordie.blogspot.com/
[minha nova casa, cê viu, neam? :))]

Hadassah disse...

Gostei muito! Seus textos são muito cativantes. Tava dando uma olhada, você gosta bastante de poesia, hein? Muito fofo!
Obrigada pela visita. Pois é eu também não tenho muita paciência para selinhos.dá muito trabalho!! Mandar Para um monte de blogs, etc...
!!
Mas como esses são os meus primeiros fiquei animada e distribui para um monte de gente :)

Sempre que puder passarei por aqui.
bjs

Valdemir Reis disse...

Amigo Rafael volta e meia, olha eu aqui novamente, passando para agradecer sua atenção, gentileza e amizade. Acredito que a verdadeira amizade nunca se desgasta, portanto assim quanto mais se dá mais se tem. Aproveito para compartilhar com você de Esmeralda Ferreira Ribeiro;
“ Força de viver...
Grita ao mundo
a tua alegria,
a tua generosidade,
a tua disponibilidade,
a tua força de amar.
E daí,
a tua confiança,
a tua esperança,
a tua disposição de lutar.

Diz-lhe
que vale a pena viver,
que a grandeza está no ser,
e é preciso acreditar
que a vida é causa maior.
E assim,
o efêmero vai passar,
mas o que fizeres de perene
jamais se pode perder,
é autêntico valor.”

Obrigado por sua visita, a casa é nossa, volte sempre! Também de todo coração votos de um excelente e animado fim de semana. Paz, saúde, proteção, prosperidade e muitas bênçãos. Fique com Deus, um forte e fraterno abraço. Brilhe sempre!!!
Valdemir Reis

primaverasdesetembro disse...

Tipo José Saramago!
gostei, passei aqui cm pediste ;)

flores.

Aninha disse...

Nossa!!! É tão... perfeito... Parece um daqueles contos que vc lê e quando termina vc fica pensando nele...

mto bom!!!
escreva mais coisas do tipo!!!

obs: mas... eu gostei mto dos amores efêmeros!!!
hehe

bjinhos*~

Prof. Israel Lima disse...

Parabéns!!!

É sempre bom estar em espaços como este! O blog é muito legal. Voltarei mais vezes.

Venha me visitar também

Tenha um excelente final de semana!

Sucesso!

Scarlet disse...

Ahhhh hahahaha!!!
Estava pensando em composição no sentido de ambientes, tipo arquitetura hahaha não de música!
Saquei ;) legal.

Hm!! hehehe bacana!
Pequenas semelhanças =)

Um encontro bloguistico? hahaha!
Dificil, mas quem sabe!
Beijos!

RayanneCosta disse...

ain ameeei ;D
ai que tuuudo ein?
rs, bjoos

Julyany ;) disse...

wooow, um texto profundo, meio confuso,
mas que tá cheio de emoção!
Gostei!

brigada pela visita, espero que vc goste dos post e do ''cantinho'' como um todo, acabei de postar a ultima parte daquele texto, depois dá uma passadinha e diz se gostou enfim, o que achou! ;)

Gostei do seu blog, beeijos

Carol Duca. disse...

Não era pra entender mesmo !
Criatividade no caso, seria a resposta certa.
E que criatividade, tá de parabéns.
Adoro seus posts.

Letícia Alvares disse...

O melhor são os nomes que você usa!!! O final me lembrou Édipo... não sei porque... hehe. O 'Caminho das Pétalas' existe sim... nos meus sonhos! ;)

Mary disse...

Tim ..tim pra ti taambém, Rafa!...teuss textos são shows de bola.
Bjs

Poeta de um mundo caduco... disse...

O fim é um recomeço!

Muito bom...

Gostei daki!

Bjs.

Thaís A. disse...

Ué, não entendi o final :x

ℓiiα, ♥ disse...

Foi tipo, reencarnação ou coisa assim? Ou foi eu que não entendi o final? ruum...
Amei muito o texto. Você tem o dom das palavras e uma criatividade linda. Parabéns.

beijos.

Brunas F. disse...

Eu entendi como se eles fossem almas gêmeas e tivessem que ficar juntos de alguma forma...como marido e mulher,mae e filho...n importa

Bem,mtoo interessante!

Livinha disse...

Basta acreditar.
Somos telespectador de nós mesmos
e eis as nossas definições...

Muito bom!
Bjss

Natália disse...

Só sei que ta estranho.
obg. por comentar. beijos!

Karen disse...

vamos nos seguir? :D

disse...

Rafa,[posso te chamar assim?? tenho mania de apelidos, ao contrário de vc, parece-me, pois, cada nome q vc consegue criar para suas personagens..hehehee]

Sua história é fabulosa, no sentido de não ter existência real e, qto ao fato de ser estupenda, grandiosa..

Lembrei-me de alguns mitos sobre homens...por exemplo: o de que os homens sempre buscam uma mulher como sua mãe, ou seja, homens não querem mulheres e sim substitutas para suas mamães...[será verdade??!?!]

Bem, vou te seguir...já estás lá no meu cantinho como leitura obrigatória, mas, gosto de ti cada leitura mais!!!

Ah, qto ao gosto de jiló, não sei...nunca comi, mas, q saudade às vezes é amarga..isso sim eu sei...

bjoossss,

A Doçura do Mel e o Perfume das Flores disse...

oi,, o seguinte..
obrigada por passar no meu blog, gostei muito do formato do seu.
Onde me achou?
Ah e o link do seu orkut está errado.
beijo

Carol Duca. disse...

Ah, se quizer me contar o segredo, fica a vontade.
Entorpecentes ? hauhauha
Brincadeira.

Bjos

Tatá disse...

Seus textos são tão intensos e tão ricos em detalhes, que por um momento, deu pra sentir a surpresa de saber que estava grávida, a incerteza do paradeiro do marido.

Ai, adorei. :*

Ray Siq disse...

texto bem interessante e intenso!
gosto muito.
e seus nomes são sempre hilarios!!
Beijoooo :*

AnaLuísa disse...

gostei muito do teu texto! e obrigada pelo comentário que me deixaste. sempre que quiseres passa por lá :)

boa semana, beijinho *

Atreyu disse...

Romântico!!
Eu achei sim senhor
=D

Mariana Dore disse...

Rafael, te achei em um dos comentários do meu blog. Já faz tempo, mas estou retribuindo.
Obrigada ela visita. Gostei do seu blog, ja virei seguidora!

;D

Moni disse...

adorei essa historia. parece um conto antigo, mas com uma realidade bem atual! beijosssss

Camila Colossi disse...

nusss qe massa *-------*
o começo foi o melhoor

bejoos

Nathália disse...

Achei o texto de uma intensidade muito bonita. Escrito de uma maneira lindamente cíclica.

Beijo!

KeLLy ViAnA disse...

muito intenso,mas gostei do final não..
bjOo!

tainá disse...

eu gostei. meio estranho, mas coisas estranhas as vezes fuincionam :D

Daniela Filipini disse...

O que foi isso?! Incrivel!
Você também escreve de forma bela! (: Obrigado

Jess The Drama Queen disse...

foi vc q escreveu isso?
*-*

Hélio Machado disse...

Eu gosto desses ciclos!

Nascer, perder, casar, lembrar, sumir e renascer.

Muito bom, como sempre.

Abraços

CátiaSofia disse...

Infelizmente, umas das razões que faz com que ainda haja muitas pessoas más neste mundo, deve-se à falat de amor, se todos nós amassemos seria tudo muito melhor.
Acho eu:D


Beijo
Gostei imenso do texto

Henrique Miné disse...

a sua loucura me fascina.
isso foi bem gay.
mas tudo bem, todos sabemos que me referia ao texto.

Abraço.

Monique Frebell disse...

ôo meninoo, saber q vc gostou de um texto meu me deixa feliZ!

Um Bjo!

=)

Prixty disse...

"pessoas bloguísticas". essa é nova pra mim. xD

história confusa, mas gostei. o.õ
é incrível como gosto desse tipo de história. xD


http://www.prixty.blogspot.com

~*rafasonehara disse...

Euu realmente amo seus contos
suas historias..
elas são totalmente surreais, e com finais
inesperados ;D
Bjos
:*

Crispi. disse...

Adoro seus finais inesperados.
Beijos!

- Gabriela Marques disse...

Amei seus contos, todos muito bem trabalhados.. realmente cativante.
Estou te seguindo!
Beijos!
Você esta realmente de parabéns! ^^

Chayenne Pontes disse...

caramba você é muuito criativo, parabéns!
ó tô seguindo o teu blog =D

Anna disse...

Gosto dos teus textos porque eles nunca são óbvios, a gente começa a ler esperando algo, e no final tudo se altera.
Gostei, gostei muito.
E você deveria procurar saber quem é Rufus, é um cantor fantástico.
beijos

Philip Rangel disse...

profundo mas complicado...
pra entender tem q reler mesmo...

abraçao

Ná Lima disse...

Uma história muito boa para se refletir. Gostei muito do teu blog, vou voltar mais vezes para lê-lo!

Mim disse...

cheguei a uma conclusão.
De fato, ela viu seu filho, mas o filho não era Horus.
Horus estava em outro espaço onde falou com sua mãe realmente.
Não precisa necessariamente a mulher ter parido o marido! o.o

Que texto louco!
\o/
Adorei!

Larissa disse...

Uau! Que criatividade, haha :)

nina rizzi disse...

hm.. eu sou tou amando a poesia hoje...

beijo.

Camila disse...

Declarações camufladas!
VOCE QUER PIZZA? E eu quero FICAR LONGE DELAS hahaha comi tanta pizza esse fim de semana que ontem meu irmão assou MAIS UMA A ULTIMA NE e eu quase vomitei de tanto enjooo que to (até do cheiro)
NÃO, NÃO ESTOU GRÁVIDA HAHAHA

bjo

Márlia disse...

Ele desafia o leitor pelo trato simples..isso conduz a qrer descobrir onde se chegaria...a descoberta é magnifica, paga o preço da curiosidade...
realismo fantástico está entre nós...tentando traduzir o que se não consegue se dizer sem a magia.

gostei daqui

Myÿ h disse...

MUITO bom o texto, realmente! :)

Tem um selo pra você no meu blog, :*