domingo, 11 de julho de 2010

Entre(vista)

Depois da minha coletânea de posts do twitter resolvi fazer uma de respostas minhas no Formspring, criando assim uma espécie de entrevista-virtual-fictícia. São perguntas feitas por Taiyo, Flavia, Thais, Marcella, Ferdi, Pearl, Los Bife e anônimos. Sirvam-se.


*


Taiyo: David Lynch. O que significa pra você?

Significa a verdade do mundo escondida dentro do grotesco escroto e bizarro eu vejo a minha vida e a verdade dos mundos que não se pode dizer nem pensar falar comer pensar gozar lamber amar foder


Pearl: Com o que você sonha?

Sonho com o fim do mundo, naves alienígenas, amores impossíveis, minhocas tranparentes que mordem meus pés, sexo rápido e fácil, professoras de piano assassinas, barbies que atendem a porta, crianças que morrem congeladas, shows de rock na portaria do meu prédio, que posso voar quando respiro forte, com músicas que nunca poderei escrever, a Musa da Beleza Interior, exércitos que cantam belas canções para causar destruição, partituras impossíveis de ler, e pessoas que jogam futebol dentro de lojas de CD's. Que eu me lembre agora.


Los Bife: Chão ou teto?

Voando, no meio, entre os dois.


Los Bife: Plural ou singular?

Pluringular.


Pearl: Qual seria o nome da sua religião?

Pacatrigajosiflatrubumcaxoformiga.


Taiyo: Existe alguma maneira de escrever poesia com gozo e areia?

Você deve introduzir 100 gramas de areia dentro de seu pênis e ejacular; a mistura cria algo que lembra as nossas experiências do jardim de infância, quando fazíamos desenhos com cola e areia.


Marcella Leal: Se você fosse um Super Herói, que profissão escolheria para esconder a sua identidade secreta?

Ator pornô de filmes com animais.


Anônimo: Melhor local pra transar?

Um lugar onde você não seja espancado. E tenha cores agradáveis.


Ferdi: E se eu atirar balas de goma na velocidade da luz em direção àquelas árvores mutantes que você conversava ontem, hein? Que você fará, cumpadi?

Vou abrir minha cloaca e emitir o som da realidade instável dos mundos paralelos; assim o abacateiro atômico vai parir minha mãe e vou poder nascer.


Taiyo: Vagina. É uma palavra bonita?

Prefiro "porta-porra".


Taiyo: Mulher. Pra que serve uma mulher?

A mulher faz comida e sexo. Ela também pode contar histórias e conversar com você, para te divertir. Fora isso ela fica rodando por aí, sem entender sua própria existência.


Taiyo: Como seria um filme maneiro?

Um filme que começa com um close na cara de uma criança gritando, loucamente, aí o close vai pra o fio de baba que está escorrendo. Depois entra uma cena numa farmácia. O farmacêutico fala algo sobre o lanche que ele fez pra vó dele. Depois corta pra uma cena muito curta de menos de um segundo, na qual um cu é golpeado com um bastão, logo depois um homem fala algo sobre o lóbulo da orelha de uma moça que ele viu rapidamente vinte anos antes, mas ele não se lembra bem pra falar a verdade. Enquanto ele fala sobre isso ele tropeça e cai num poço. Enquanto isso, ao lado do poço uma menina brinca de arrancar as patas de uma formiga. Com os dentes. Depois ela caminha até sua irmã e cospe as patas dentro do olho dela, mas como ela está gripada vem com muito catarro amarelado; os olhos da irmã ficam totalmente cobertos pelo muco. Por não conseguir ver nada, a pequena irmã caminha correndo o mais rápido que consegue, em qualquer direção, se chocando com os obstáculos do caminho, até que ela bate a cabeça numa ponta de faca e morre.


Taiyo: O que é um bom filme pornô? qual a trama do filme? que tipos de relações devem ser mostradas?

Um fime pornô de qualidade deve apresentar as seguintes características: a música deve ser congruente com as cenas. Nas cenas de amor, a música deve ser romântica, e nas cenas de meteção deve ser um metal pesado. A trama deve ser leve e superficial - deve-se poder resumir a trama em, no máximo, 20 palavras. A história deve ser forçada, chegando quase a ser irreal. Afinal, ninguém começa a ver um filme pornô achando que é algo tipo Spielberg. As mulheres devem fingir que são puras, até o último minuto, e os homens devem se comportar como uns macacos loucos que estão no cio. O inicio da transa é um momento delicado da "história". Pois é onde acontece a mágica; é onde o filme meio que muda de gênero. Deve ser bem pouco sutil e ao mesmo tempo deve fazer a pessoa vibrar de "emotesão". Depois disso vem a parte mais longa da saga. Haverá a transa, que será extremamente longa e barulhenta. A camera deverá dar close nas seguintes parte: na cara do mulher, na cara do homem (depende do gênero pornô, alguns não devem mostrar a cara do homem pra que você ache que o pau dele é seu. Pois é.), pau, cu da mulher, cu do homem (apenas se for um filme gay), bunda da mulher, peito da mulher, boca da mulher, vagina da mulher. No final, obviamente, o homem deve ejacular na cara da companheira, de preferência da forma mais nojenta o possível. No final o homem fica arfando de satisfação feito um boi e a mulher com uma cara besta dizendo como gostou de ser comida. Superficialmente, é assim que um bom filme de foda funciona.


Anônimo: Uma cena?

Dois homens; um está com o corpo em chamas, o outro come açaí enquanto o esfrega pelo corpo; o primeiro diz "Sabe, sempre quis ser jogador de peteca"; o segundo diz "Olha, no dia que conseguir esticar meus dedos todos, irei até a esquina da minha rua".


Taiyo: Onde eu encontro poesia no cotidiano?

A poesia do cotidiano não existe, é uma maluquice da cabeça dos poetas loucos, a poesia é tudo o que não existe.


Anônimo: A vida em uma palavra pra você?

Gosminha.


Anônimo: Já perdeu o sono pensando em alguém ? Quem?

Gengis Khan.


Thaís: Sua atitude mais romântica foi?

Voadora nos seios.


Anônimo: Você se considerado um cara gozado ou gozador?

Um gozador. Eu gozo, bem na cara das pessoas. Metaforicamente falando de uma forma literalmente simbólica.


Anônimo: Uma simples atitude?

Enfiar a cabeça na privada.


Anônimo: Qual é a sua relação com o açaí? É algo mais sério ou apenas sexo casual?

É um caso sério de sexo casual.


Anônimo: Por que a morte é sempre tão recorrente nos teus textos?

Boa pergunta. Não sei bem o por quê; talvez seja porque nós morremos; ou por que é algo muito representativo/simbólico.É também uma maneira de terminar as coisas - morre, acabou. Geralmente, quando a utilizo, a morte possui um tom irônico/cômico, nunca é algo fatalista, triste ou negativo. É bom ressaltar que...

(nesse momento uma bomba explode e mata o Rafael, impedindo que ele termine de responder)







__________________________________________________________

Vejam no Desce Mais Um:
http://descemaisum.blogspot.com/2010/07/sinapses.html
"Sinapses"
Micro-poema


22 comentários:

Visão disse...

Locura que me espanta. kkkkkkkkkkkk
Gostei de vc.

Paulo Vitor Cruz disse...

loucura que me diverte... risas... gostei da sua atitude mais romântica... são coisas assim que me fazem entender o q o ser humano tem (n tem) na cabeça..


abraço grande.

Paulo Vitor Cruz disse...

loucura que me diverte... risas... gostei da sua atitude mais romântica... são coisas assim que me fazem entender o q o ser humano tem (n tem) na cabeça..


abraço grande.

Letícia Mariano. ღ disse...

O.O

Pearl disse...

"Fora isso ela fica rodando por aí, sem entender sua própria existência"

Às vezes sinto isso, mesmo. hauhuahuahu

muito bom, Rafa

Pearl disse...

E mais, acho que você banaliza a morte porque tem medo. Pronto, falei.

Natália disse...

interessante como sempre! bj

Álvaro disse...

As perguntas mais importantes para humanidade estão aqui no Blog do Rafael...

Quem diria que esse enfiador de cabeça na privada se tornaria a Rainha da arte surrealista!!

Taylorish disse...

A questão é - você é brilhante por fazer tudo o que não é ser mesmo fazendo as coisas não parecer ser, enquanto o ser humano tenta fazer parecer ser o que não é fazendo as coisas parecerem ser de verdade. Ou vice-versa.

Mentira, é isso mesmo que eu disse.

flaviadoria disse...

Ah que amor....meu nome sai assim sem motivo!


Não tem nenhuma pergunta minha aí, ô coiso!

Nathi Delacroix disse...

HUAHIUHUAHIUHAIUHAHAHAU
AUHAUHAIUHAIUAIHUAHUAIHIUAHHIU

Esse é o tipo de formspring.me que eu me acabo de rir!

Beijo, beijo.

Danilo Moreira disse...

Rafeal... um verdadeiro filósofo contemporâneo...kkkkk

Érica disse...

Uma lombra isso aqui. Me dá um barato quando acabo de lê. Por isso eu adoro.

Beijos

Henrique Miné disse...

eu sempre achei que Formspring fosse coisa de menininha.

Pelo jeito estava enganado o tempo todo :b

Tatá R. da S. disse...

Gostei que te perguntas minhas.. *-*
Hahaha.
Mas me chateei por outros motivos. u.u

Nayara Marques disse...

Realmente muito boa sua formspring-entrevista, ri, ri muito. ;) oiahoisoiasoi

bjs :*

Marcella Leal disse...

Tá, quando você morrer, temos que analisar seu cerebro, serio, o filme que você descreveu me emocionou e ator de filme pornô com animais deve ser otimo desfarce.

Beijos.

vernaculo disse...

eu só fico por aí questionando a minha existência, pois é, é verdade.
fora isso, também escolheria ser ator de filme pornô com animais.
beijos,
lilica

vernaculo disse...

eu só fico por aí questionando a minha existência, pois é, é verdade.
fora isso, também escolheria ser ator de filme pornô com animais.
beijos,
lilica

Paulo Braccini disse...

bem Rafa mesmo ... muito boas, tanto as perguntas qto as respostas ... altamente reveladoras do SER Rafa ...

no mais, é agradecer a atenção e o carinho lá no blog ...

bjux

;-)

Milena Torres disse...

Te fiz uma pergunta lá agora pouco! (:

Desnuda disse...

Hô boas narrativas para breves perguntas. Soube tirar " água de pedra" ou outro líquido qualquer de outro lugar qualquer rsrs. Gostei, Rafael!

PS: Não sei cozinhar, não...( Rondando a minha própria existência...) Hahahahaaaahah

Beijos.