domingo, 12 de setembro de 2010

Baba e Lágrimas

O homem acordou muito tarde e se levantou. Arrancou suas roupas com as unhas e os dentes, feito um animal selvagem. Depois começou a olhar para a luz, no teto. A luz feria a sua vista, mas ele continuou olhando. As lágrimas logo começaram a correr por sua face. Ele inclinava a cabeça de forma que as gotas de choro caíssem dentro de sua boca. Ele abria muito a boca e ficou muitas horas olhando para a luz, pelado, chorando, de boca aberta, cercado pelos pedaços de seu pijama rasgado. A saliva se acumulava e o homem babava muito, de forma ridícula. Escorria pelo seu peito e pela sua barriga, até chegar ao seu pau. Ele babou, babou e babou, com a boca completamente aberta, pelado, olhando para a luz, chorando, as lágrimas caindo em sua boca, cercado pelos pedaços de seu pijama rasgado.

Após algumas horas, a mulher do homem apareceu. Ela ficou olhando praquele homem ridículo, naquela situação ridícula. Então ela resolveu se ajoelhar e encostar a cara na barriga dele, de forma que a baba escorresse toda para dentro de sua boca. Ela sentia tesão pela baba do marido. Ficou lá muitas horas recebendo a baba do marido diretamente em sua boca. A baba saía da boca de seu marido, escorria pelo peito, barriga, e entrava na boca da esposa, que logo começou a babar o excesso de baba do marido, que era muito abundante. A baba que escorria da boca da esposa caía nos pedaços de pijama rasgado em que a mulher se ajoelhava.

Algumas horas depois apareceu o filho. O filho viu o pai pelado, chorando, olhando pra luz, as lágrimas caindo em sua boca, a boca aberta, babando, a baba escorrendo pelo peito, pela barriga, caindo dentro da boca da mãe, a baba da boca da mãe escorrendo e caindo no chão, nos pedaços de pijama rasgado do pai. Ele resolveu deitar no chão, num pedaço de pijama rasgado e babado, olhando pra luz, com a boca aberta, posicionado de forma que a baba que caía da boca da mãe caísse dentro da sua. Ele começou a chorar por causa da luz que feria seus olhos e as lágrimas caíam no pedaço de pijama rasgado no qual deitava sua cabeça. Com o passar das horas, a baba, que caía da boca da mãe, que originalmente tinha saído da boca do pai, misturada às lágrimas, começou a se acumular na boca do filho e escorrer para todos os lados, babando suas bochechas, narinas, queixo, olhos, e o pedaço de pijama rasgado no qual deitava sua cabeça. Com a boca lotada de saliva e lágrimas do pai, que haviam passado pela boca da mãe, e as narinas obstruídas por essa mesma composição, o menino acabou morrendo sufocado.

Quando a noite caiu, o pai resolveu parar de babar e de olhar pra luz. Ele fechou a boca e os olhos. Assim, a baba e as lágrimas pararam de escorrer pelo seu corpo e de cair dentro da boca da mãe. Então a baba lacrimejada parou de cair da boca da mãe e de afogar o filho morto. De qualquer forma, ainda havia bastante substância dentro da boca do filho, que morreu de boca bem aberta. Os pais olharam para baixo e viram o filho. Eles não haviam notado que o filho estava ali até agora. Estavam muito concentrados, e o filho não havia feito qualquer barulho que denunciasse sua presença, nem na hora da morte.

O pais pegaram, cada um, um canudinho e beberam toda a saliva com lágrimas que estava na boca do filho. Isso lhes dava tesão. Depois de beberem tudo, transaram em cima do corpo do filho morto e se deitaram para dormir. Com a luz acesa.





34 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

bom também.

IR.CV.EG (Sibby) disse...

fiquei com tesão.

Paulo Vitor Cruz disse...

e será q a transa foi boa? ao menos o filho era fofinho?

abraço grande.

Gabriela Petrucci disse...

Achei que ainda fosse chegar o porteiro...

Erica Vittorazzi disse...

Ainda bem que não durmo de luz acesa e nem babo.

Ou isto seria ruim?

Monique Premazzi disse...

Nossa, isso realmente foi nojento de ler dude KKKKKKKKKKKKKKK
Criatividade mil a sua, parabens :)

Paulo Braccini disse...

com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar ...

#tocaraul

bjux

;-)

Mente Hiperativa disse...

Isso é o relato de uma experiência pessoal?

Rsrsrs

"Quando a noite caiu, o pai resolveu parar de babar e de olhar pra luz"

'RESOLVEU' Que boa resolução hain pai, já era hora mesmo né...

Muito louco! Gostei!

Cíntia disse...

rsrs fuxicando por achei seu blog...
ri muito com a postagem mas triste com o filhinho rsrs fazer o q neh..
volto sempre e te espero no meu também.
bjs te mais ^^)

flaviadoria disse...

baba baby, baby baba.

acho esse texto bem cinematográfico, esse homem pelado babando e chorando em pé, olhando pra luz... eu gosto.

Nathi Delacroix disse...

hun... babas, marido, esposa, filho...

é!

Henrique Miné disse...

é que não tinha uma fila perto, senão todo mundo entraria nela tbm...

Mente Hiperativa disse...

Cara com certeza boto link sim.

Se voce observar no meu blog tem uns textos alheios e TODOS estao linkados.

É uma forma de mostrar aos meus leitores textos que gostei, que parecem comigo embora não tenham sido produzidos por mim, e ainda divulgo outros blogs.

Seu texti já tá programado pra o dia 19... rsrsrs antes disso já tá lotado, dois por dia. rss

Abraço. Até mais.

Ju Fuzetto disse...

Aff, nojento isso!! kkkk ri litros

Tatá R. da S. disse...

Neste caso eu apagaria a luz depois de tudo.
Huhuahuhauhuahua.
Beijo, babão.

Zi. disse...

putz.
Que asco na minha traquéia!

Athila Goyaz disse...

Que cena grotesca! rsrs
Rafael valeu pelo coment, a música estava trocada mesmo, ngm percebeu :S kkk
abraços!

Daninha disse...

Primeiro post seu que não consegui ler até o fim -eca :P

Mente Hiperativa disse...

Você recebeu um selo "Prêmio dardos", passe lá no blog pra buscá-lo:

http://mente-hiperativa.blogspot.com/2010/09/premio-dardos.html

tossan disse...

Genial. Já votei e olha que na política voto nulo.

Noslen ed azuos disse...

Olá Rafael, cara q louca esta crônica, imaginei a Cena num quadrinho, ficaria bem!

abrigado pela visita em meu blog.

abraços
ns

Taiyo Omura disse...

veja o final de TEOREMA do Pasolini

Ana disse...

Eu pretendia matar a minha fome daqui alguns instantes, mas depois que li ela se foi, como o filho.

Jυℓyαnα ツ disse...

Beeem nojento ;)
rsrs'



;*

Má Midlej disse...

Nossa senhora..
ler oque voce escrever é sempre surpreendente de alguma forma, mas isso aí foi demais pra mim kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
que nojentos!
:(

beijo

Érica disse...

Eu fiquei meio tonta com esse texto. Todos os teus textos causam-me sensações.

Domingos Barroso disse...

Caríssimo Rafael,
após seguir todo o procedimento
de votar no teu blog (que o fiz satisfeito) digo, então, sobre tua escrita: cáustica, inusitada.

Um berrante de madrugada
em alto mar.

Meu camarada,
forte abraço.

bruna disse...

Eu SEMPRE me apaixono por teus textos.
Beijos

Juliana Porto disse...

Há quem goste. O mundo está repleto.


Um beijo, menino!

Domingos Barroso disse...

Quando digo, "(...)cáustica, inusitada. Um berrante de madrugada
em alto mar"

É o mais puro elogio.

Como se disse que a pintura
de Salvador Dali é "uma mordedura nas gengivas" Sei que você, Rafael, entendeu.

Mas para que fique bem claro
aos lentos de espirituosidade:

Teus textos são geniais!


Forte abraço,
do poeta
que admira
tua escrita.

Joana disse...

Acho que eu por esses dias vou postar algo no blog e vou dedicar a vc... =]
Bem... Não terá saliva, mas vai ter sangue, que tal?

Luísa Olimack disse...

nossa, eu falei q vc escreve prosa maravilhosamente bem!!
mto bom mesmo o post!

Rob Novak disse...

Possível moral da estória (se é que isso é possível): se você tem a incrível e (in)feliz habilidade de passar despercebido, continue assim. Não abra a boca para tomar baba de ninguém. Poderá ser fatal.
Ótima viagem.
Abraço!

coffee-break disse...

O importante é a luz acesa.