domingo, 19 de setembro de 2010

Guardado nas Gavetas

Acho que vou arrumar as gavetas. Legal. Gavetas são coisas boas. São... amigas. E cheias de sentimento. Eu guardo minhas fezes em uma gaveta desde os 6 anos de idade. Todo dia antes de dormir olho para as minhas fezes guardadas. E canto para elas. Canto canções de júbilo e de bravura. E também conto histórias sobre homens que deixaram suas casas em busca de um futuro melhor. Sobre como eles tiveram de abandonar suas gavetas cheias de fezes para desbravar o mundo. E sobre como eles voltaram vários anos depois, só para olhar mais uma vez cada uma das fezes, e abraçá-las, para logo depois caírem mortos, em frente às suas gavetas. Eles voltaram para casa muito cansados e velhos, só tiveram energia para estar com elas por um breve instante.

*

-Não esqueça de guardar seu cocô na gaveta certa, antes de dormir. E de cantar uma canção de bravura.
-Qual delas é a certa?
-A gaveta certa é a que só tem cocô. É importante não colocar, por exemplo, na gaveta de... meias.
-Ah, tá... você bem que podia cantar uma canção pra mim.
-Está bem. Cantarei uma canção chamada "O Júbilo do Grande Desbravador".
-Ok.
-Navegou pelos sete mares
Apenas em suas fezes pensou

E delas nunca mais se desligou
Oh, mãe natureza

Dai-me aquilo que necessito!

Para desbravar novas terras
Defecar é preciso

-Nossa, que canção bonita! Vou até dormir mais feliz depois disso, estou emocionado.
-É, eu também; vou até abrir minha gaveta de fezes, e chorar um pouco em cima delas.
-Boa noite!
-Boa noite.

(Podemos ouvir o som da descarga)

30 comentários:

Paulo Vitor Cruz disse...

cara, teu blog está cada vez mais massa... os limites todos já ficaram p trás a mto tempo..

qto ao texto de hoje, ele me fez lembrar de meus três anos de idade, em que eu me recusava a depositar minhas fezes no vaso sanitário, e só o fazia no quintal dos fundos da casa da minha avó (q morava a três quilômetros da minha casa.. ou seja, cagar era uma aventura n só minha, mas da familia toda...)... depois dos quatro anos nasceu minha irmã e fiquei com vergonha de continuar com isso...

*o pior dessa trágica história, é q ela aconteceu mesmo..

abraço grande.

Mente Hiperativa disse...

Será que você teve algum problema na fase anal? Freud explica seu hábito de guardar fezes, esse apego todo... rsrsrsrs Não quer se desfazer daquilo que você produziu, daquilo que é parte de você.

IR.CV.EG (Sibby) disse...

oras, sinceramente.

Athila Goyaz disse...

Muito bom, essa cultura fecal ainda não conhecia. Consegui imaginar a cena de uma mãe e filho, o beijo de boa noite e o barulho da descarga.

Luísa Olimack disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Charlie B. disse...

uahuaha¹²³ isso foi estranho, mas okay, eu tenho uma gaveta assim, mas não tenho fezes dentro dela, rs. Rá, na primeira vez que li, achei que estava lendo errado.

Charlie B.

Paulo Braccini disse...

quem não tem suas gavetas onde guardamos nossas fezes? assim somos construídos enquanto ser ... desapegamos de tudo menos de nossas fezes...

bjux

;-)

Gabriela Petrucci disse...

URGH! :x

flaviadoria disse...

Os leitores tendo episódios de regressão depois desse texto..

Capitu disse...

Ai que horror.

Natália disse...

Vi uma vez a história de uma menina anoréxica que pesava as fezes pra ver se o que ela tinha defecado era igual ao peso de calorias ingeridas, na tv é claro. Beijo

Vital disse...

que merda engavetada!

rs

Edu disse...

É mto avançado pra mim... ou mto cagado... hahaha!

O fato é: caga-se.

Daninha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daninha disse...

Caramba, eu ri muito do primeiro comentario... É tipo aquela propaganda que o menino quer fazer cocô na casa do Pedrinho.
aospkasoapkspaospk'

Juliana Porto disse...

Boa noite, Pedrinho!

=P

Cíntia disse...

adorei seu comentario no meu blog rsrs respeito sua opinião mas desejo muito q minha cabeça não exploda gosto dela onde esta rsrrs.

Ainda ontem arrumei minhas gavetas ainda bem q não encontrei fezes só poeira ja basta p mim...

adoro seu blog mil bjs volto sempre ^^)

Domingos Barroso disse...

Rafael, meu camarada
e o mais belo é que
até podemos plantar
uma orquídea sobre
nossas fezes.

O improvável é mágico.

As mentes brilhantes
certamente têm gavetas
com fezes.

Leonardo Da vinci tinha.
Certamente.

Parabéns,
forte abraço.

Bianca Bigogno disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Que imaginação fertil meu Deus!
Muito booom mesmo.

Guardo as minhas fezes também..
As vezes eu olho pra elas mas não canto musiquinhas não. Você é mais carinhoso com as suas, eu olho e desejo me livrar delas. Um dia eu me livro.

Adorei :)

Tatá R. da S. disse...

Comovente!
Não aguentei e chorei em cima das minhas também. Foi belo ver minhas lágrimas escorrendo em cima das fezes e fazendo caminhos diversos.

tonhOliveira disse...



Caro Rafael

Tá votado.

Quanto ao, pegar um poema e ilustrar,
(um par sería mos?),
te proponho o in VER so...
podes pegar qualquer imagem minha e escreva sobre ela, se acaso te insPIRAR um poema
ou me envie um poema curto, de preferência
e tentarei ilustrá-lo.
Mande-me teu E-mail que te enviarei algumas imagens que pedem palavras...

Valeu amigo?!

Abraço-tchê!

P.S:
Já conheces o http://po--etica.blogspot.com ?

Erica Vittorazzi disse...

Rafael, com certeza você é louco e egocêntrico...hehe.


Bem parecido comigo mesmo.



beijos

Joana disse...

Eu tenho uma pasta de fezes... Umas são coloridas e sentimentais, outras foram dolorosas e estão manchadas de sangue. Quase todas as noites, eu abraço minha pasta e choro por não conseguir mais cagar como antes...

Nini C . disse...

Nuss, amei teu texto, e teu blog tbm. Estou seguindo.

Érica disse...

Eu to muito emocionada. Depois comento.

bruna disse...

Afinal, as fezes fazem parte de momentos emocionantes e íntimos da vida né hahaha
adorei , sempre gosto daqui e nem vou parar de escrever de vez não ;x
Beijos

menina fê disse...

oi, rafa.
todos temos as nossas mesmo! de vez em quando eu jogo umas fora e arrumo outras.

seja super bem vindo ao degusta.
bjs meus

Canteiro Pessoal disse...

Rafael, gavetas... bastante valioso sua narrativa. Como há diversas portas nas gavetas e cavernas, adentremos nelas e passemos pela re-metamorfose.


Abraços

Priscila Cáliga

Rob Novak disse...

Isso me lembra o conto Copromancia, do Rubem Fonseca no qual o personagem guardava fotos das fezes e tentava prever o futuro através delas.
Muito criativo o texto. Resíduos de uma mente faminta e constantemente insaciável.
Abraço!

Má Midlej disse...

sou fã das suas pirações,
mas eca mano!
hahahaha
:**