domingo, 13 de dezembro de 2009

Fusão e Encontro Real

.
A comida está sendo construída
Dentro de chips de pensamento
A árvore que virou abelha
Agora nada do concreto ao asfalto

Toda a mata das usinas naturais
Está assassinando o assombro magnético
Enquanto o sangue escorre pelas vigas de ferro
E os tucanos assinam tratados de guerras biológicas

No momento seguinte ao futuro passado
Encontramos o presente esquecido
Em caixas jogadas no mar de mercúrio potável
Onde moram formigas de gesso e de cobre

E as sombras alvas das nossas ideias digitalizadas
Cresceram a ponto de fazer ressurgirem os lapsos
Dos dias que teriam passado
Caso não tivessem sido arquivados

.

O vento bateu no rosto
E fez a cabeça sofrer erosão

A fábula correu pelos campos
E varreu a memória dos sonhos diurnos

Uma gota d'água caiu no chão
E carregou as casas subterrâneas

Mas
Teve algo que não aconteceu

.

O meu corpo invade o concreto
E o aço das grandes construções
Ele os destrói sem piedade
Os faz parecerem pó

E o meu corpo invade os chips
O concreto e o asfalto
Os transforma em passarinho
E no calor da carne

Eu bloqueio as guerras biológicas
E ressuscito os assombros magnéticos
Junto todos os tempos em um só
E mergulho no mar de mercúrio

Apago as memórias digitalizadas
Pois só as da mente importam
E grito para todos os homens
Que não há mais no que se perder

.

O que não é real
Nunca foi pensado

Só existem
As coisas que inventamos



---------------------------------
Tem post novo meu no
http://descemaisum.blogspot.com/
Confiram
É uma bela carta a uma prostituta.

41 comentários:

Ferdi disse...

"Só existem as coisas que inventamos" e agora existem mais um monte de coisas que eram inexistentes no minuto anterior ao ler seu texto pra mim.
E provavelmente nunca chegarão a existir pra um monte de gente.

Texto bom, me fez imaginar e refletir sobre essa coisa que me angustia tanto.

Eu penso em alamedas, o que acontecerão com as alamedas?
Sei que é um pensamento menor, mas eu gosto muito de alamedas.

Athila Goyaz disse...

Brincar com as palavras sempre é bom meu amigo!

Vou ver lá o que vc aprontou no outro blog! abraços!

Marcelo Mayer disse...

inclusive deus, sempre o inventamos

Tatá R. da S. disse...

As consequências do mundo atual. É o que eu assimilei. E sim, tudo que não existe, foi o que ainda não inventamos. O fim seria também algo inexistente. Ainda bem.
=*

Marianna disse...

minha cabeça sofreu erosão inversa (não sei o nome disso), agora. se não existir, agora existe e se chama inrosão huahuahua

uma inrosão de coisas reais novíssimas, que o vento trouxe e grudaram na minha cabeça feito abelhas.

Ananda Urias disse...

eu aceito as bolachas de chocolate como pedido de desculpas de sua pessoa, até pq eu adorei a poesia. :~
Beijos, garoto rebelde!

Natália disse...

Que triste! Bj

HSLO disse...

Gostei muito do seu blog, super rico em conteúdo, viu.
Vou te linkar ao meu, assim posso voltar outras vezes.


abraços
de luz e paz.


Hugo

www.nosso-cotidiano.com.br

Beth Cerquinho disse...

Ammmei seu blog..e belo texto...
Já estou te acompanhando.
Uma semana muito tranquila.

nick mendes disse...

Nossa, adorei, de verdade *-*
sabe pq? tipo, tu tem muita imaginação; um longo poema onde cada parte ñ se perde da outra, parece um quebra-cabeças...muito bom,parabéns.

RaH disse...

Muito bacana as coisas que vc escreve..
A gente viaaaja junto!

Bjo

Henrique Miné disse...

Mas, se você inventou esse fim, ele agora existe?

É, espero que não.

Gêsa disse...

Critica capitalista misturada a um ideal revolucionário. Adoreei (:

Dandara disse...

Bagunça eólica no meu pensamento.

Lara Amaral disse...

Bonitos poemas!

Obrigada pela visita.

Beijos!

Karen disse...

Você é muito doidão mas eu gosto. Não me esqueço daquela história dos bebês... kkkkkkkkk Sabe qual? Que horror...

Érica disse...

Entendi não....

♥ Mαrcellα L. disse...

Num sei porque, mas gostei da parte dos tucanos.

Beeijos.

Calem-se Dedos ! disse...

gostei da parte 'tratado ecológico'
me fez pensar'
muuuuuuuuuito bom seu post (:
da uma passada no meu depois ?
;D

beeijão :*

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

"No momento seguinte ao futuro passado..." Tens uma poética incrível. Gostei do teu estilo, moderno e ao mesmo tempo super pensante, inteligente.
Olha, perdoa a intromissão no teu blogue, mas acredites nem sempre que te leio comento, por falta de algo de aproveitável a se dizer. Mas sempre gosto do que leio. É um ótimo blogue.
Olha, sei que sou meio novo aqui no teu espaço, mas se gostares, vai lá no meu que tem presente pra ti. estou agora com um ano de blogue, e comemoro homenageando alguns dos meus novos amigos da blogosfera.
Conto com a tua presença.
Abraços et au revoir. Mes félicitations.

Tiffany' disse...

o outro blog é um blog antigo...
depois que eu fiz o shecamesincolors não postei mais nele.

textos bestas mas que eu gosto, haha ^^

being fashion is... disse...

pintei meu cabelo de loiro, n entendi muito bem
uahauhauuahauaha.....

beijos, querido

Jay e Alê disse...

Hey,

Participe com a gente da postagem coletiva. Sobre música. É uma parceria dos Blogs Furo e Ká Entre Nós. Os blogueiros estão convidados a fazer uma postagem sobre seus estilos músicais, o que gostam ou não e a partilhar com a gente sua TOP 5 play list. Nossa última postagem coletiva foi um show. 115 blogueiros participaram. Visite o Ká Entre Nós ou o Furo LM para melhores informações. Ou aqui http://toaquivocetambem.blogspot.com/2009/12/flash-mob-postagem-coletiva.html
Convide seus amigos blogueiros via msn, e-mail, orkut, twitter, torpedo, SMS... vamos fazer a blogosfera vira uma grande MTV com os mais variados estilos.
Abraços
Jay

Ray Siq disse...

hahahaha
eu amei total
vc faz a gente pensar bastante!
Beijooo :*

Felicidade Clandestina. disse...

Lindo lindo (x

Bravíssimo!

disse...

Porra, ficou foda o final.

N.Xavier disse...

Este final, "só existem as coisas que inventamos" dá mto pano pra manga... Mto bom!

Bjus e td de bom!

gabiz disse...

mais ou menos a minha cidade em 2038.

Rayssa disse...

Opss, pequeno erro de digitação.
Mais que boom que gostoou.
UASHI SHoiuAS
BEijoos LIndooo.

Gabi Petrucci disse...

o pior é que estamos caminhando pra isso mesmo! :T

@philipsouza disse...

Vc sabe mesmo brincar com as palavras...e o pior que sempre acerta....

a sobre o ENEM me atrapalhei com as provas mas aki....foi no dia do jogo acredita...hehehee

amigo te convidar para nosso Mob Brasil..sabado agora....no Entrando Mais explicações...

abraços

The human who sold the world disse...

"formigas de gesso e de cobre"

saídas de Fringe ou Arquivo X...

Adorei: Só existem as coisas que inventamos.

Olga disse...

adorei... muito bom mesmo.

Sofia Borges disse...

É um retrato de um possivel futuro quase presente?
"
E as sombras alvas das nossas ideias digitalizadas
Cresceram à ponto de fazer ressurgirem os lapsos"

Adorei...

Natália Corrêa disse...

A putaria e nojeira desse post ficou por conta do que o homem (humano) faz
Deveríamos tomar cuidado com o que inventamos...

Larissa. disse...

Original como sempre.!
Adorei!

;*

pequena disse...

Oi Rafa, to passando pra deixar um bjim e desejar bom fim de semana!

xêro!

Cris de Souza disse...

Sua voz é original...

Taylorish disse...

Tá, lá vem eu te encher o saco de novo.
(certo, eu viciei no seu blog. só não adiciono como seguidor porque... estou com preguiça =P)
Eu li muitos livros de linguagem corporal. Inclusive o do Allan e da Barbara, que roubei do Moon, "Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal". E também um da Luiza, "O Corpo Fala", de não sei quem. É, eu vivo roubando os livros dela, quando ela escrevia o Trinta Livros, eu li boa parte daqueles, porque eu não faço bosta nenhuma na sala de aula. (só não li Afogando Ruth porque não gostei do começo).
Bom, mas eu tenho certeza que não é nada disso. Não é a linguagem corporal, eu mudei isso. (eu vivo me mundando, e talvez essa seja a minha ruína)
Nem a relação interpessoal. Eu me relaciono muito bem com quem me conhece. Não, o problema é com quem não me conhece - pela visão antiga que eles tem de mim, eles não se aproximam. Não que eu não seja uma boa pessoa - sou meio obsessivo, e às vezes volátil, mas quem não tem defeitos? - é tudo a questão da aproximação. Mudei meu jeito de vestir, meu cabelo, tentei mudar minha voz (é difícil, angustiante e torturante, nunca tente fazer isso!) e nada ocorre. Por isso, me sobraram duas hipóteses: pode ser o meu corpo ou a minha mente (volatilidade). A volatilidade só seria descoberta por exclusão, portanto, eu trabalhei no corpo.
Legal, eu estou usando o seu blog para falar de mim. ¬¬'
Mas, na minha opinião, numa lógica bizarra, um vinagre nunca é imparcial. Sendo ácido, ele toma partido de tudo e de todos, se sobrepondo aos demais. Em excesso é até uma praga (ainda mais que eu odeio vinagre). Então, para mim, seu texto é uma utopia - nunca existiu, nunca existe, e nunca vai existir, apesar de parecer que existe.
Meu pai tá enchendo o saco para eu ir buscar o pão, vou vazar, tchau.

Aninha(s) disse...

Hum mas este blog é ..
-Muito mesmo que textos :D

ºGostei

Nanuni Kokoritu disse...

Show de bola!