domingo, 27 de dezembro de 2009

O Outro Lado da Razão

.
O homem acordou.
Escovou os dentes.
Tomou café.
Foi trabalhar.
Trabalhou.
Almoçou.
Conversou com os colegas.
Foi para casa.
Beijou sua esposa.
Abraçou os filhos.
Leu um livro.
Olhou para cima, e pensou:

"................"

E se deitou pra dormir.


Pois tudo que acontecia fora disso não importava.





----------------------------------------------------------------------------
Ok, já mostrei esse poema pra algumas pesssoas, houve muita discussão e quebra-pau sobre o seu significado. Quem quiser pode me dizer o que entendeu (ou não) do poema, vou gostar de ouvir. Aliás, sempre gosto.

E vejam a postagem nova no
http://descemaisum.blogspot.com/
Fechando a semana com tema natalino, uma bela carta ao Papai Noel...

41 comentários:

Hugo Crema disse...

E por que poesia tem que ter significado?
Lendo o poema pensei em algumas coisas. Gostei do cotidiano ali.
Pelo que eu entendi a proposta do poema se resume ao último verso. Será que por isso ele é o último? O mundo é o que o sujeito experimenta, e nada além disso.

! Marcelo Cândido ! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
! Marcelo Cândido ! disse...

Poema simples que fala de uma vida norma mas que pode ser anormal nas entrelinhas...
""""

Hugo Crema disse...

A explicação do Marcelo tá melhor que a minha, concordo plenamente com ela.

Henrique Miné disse...

Pra mim, fala de um cara conformado, que leva sua vida medíocre e tem medo de pensar qualquer coisa que fuja a essa "regra".

Ou, vai ver, ele ama mesmo essa vida, ou um, ou outro, eehe

abraço.

Daninha disse...

A vida rotineira de um pai de familia...

Beijos

NanaFar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tatá R. da S. disse...

Há sempre muito mais além de nossos costumes rotineiros. Porém sempre nos focamos apenas em nossa vida esquecendo do outro lado, do mundo inteiro, né?
As vezes parece que estamos no modo automático, isso é triste.
Depois da explicação que você fez para mim ficou tudo mais claro, Rafa, e faz todo sentido. Concordo com seu ponto de vista.
Mas é por isso que acho que a vida está nas novas sensações, nos novos lugares, pessoas que conhecemos, situações e emoções. Nunca devemos parar de viver o inusitado e expandir nossos horizontes. porém devemos viver plenamente, por completo casa pessoa, cada momento, cada experiência.
=*

Marianna disse...

Parece um monte de coisas. Que o cara não se importava em pensar mais nada "pois tudo que acontecia fora disso não importava", que ele não conseguia pensar mais nada. Que ele não tinha tempo pra pensar mais nada.
E pareceu também algo relacionado com "Deus", acho que por causa do "olhou pra cima". Que ele não tem deus, ou não tem tempo pra pensar em deus, ou o que ele pensa é irrelevante ou invisível pro Rafael hahahaah.
Parece mesmo um monte de coisas.
Aliás, "................" pode ser muita coisa, ou nada, depende.

Lu Dantas disse...

O que vi foi o cotidiano de um homem que prefere ou tem medo de buscar o novo, o que está fora, saltar de si, arriscar. Pode ser por conformismo ou falta de fé. Pelo visto, ele parece levar a vida com tranquilidade. E acho que isso é o que lhe importa.

Sabrina Vaz disse...

Olá! Eu gostei do poema!
Achei bem legal, um pouco dramático, triste... qual será o pensamento dele e porque não importa o que não está no cotidiano? Perguntas que muitos tentarão responder, mas na poesia tudo é valido!
Parabéns pelo poema e pelo blog!
Voltarei mais vezes!!


"Olá! Estou lançando uma campanha lá no meu blog para os leitores compulsivos! O desafio é ler 50 livros em um ano! Caso queria participar ou gostou da idéia, ajude a divulgar, por favor!
Desde já, obrigada!
Plaquinha da campanha:
http://3.bp.blogspot.com/_iwUTfG-Dolo/Sze2-xZyFEI/AAAAAAAAAZ8/1LLSrE6qLFc/s1600-h/CAMPANHA502,5.jpg
É isso bye bye!"

gabriela m. disse...

na primeira lida, enxerguei um smile no pensamento do homem (mas isso só aponta que preciso me afastar um pouco do computador, e não falo de distância física).

e sobre o entendimento, deu pra sacar que ele gosta da vida que tem. e isso é tudo, porque eu não entendi o suficiente para aprofundar essa resposta.

muito engraçadinho você, mas eu realmente gosto daquela imagem do meu layout e não tô com pulgas no momento; por enquanto não vou trocar. mas amanhã mesmo, eu posso mudar de ideia. :~

Taylorish disse...

Ele não é feliz, de maneira alguma.
Ele faz pelo mero fato de fazer. E, como diz uma frase que eu amo, "quando a meta é facilmente alcançável, nada importa mais, exceto a jornada".
Ele faz não por um motivo, mas pelo simples fato de ser forçado deste jeito. Quem dita esse comportamento é o status quo, que faz a vida dele definhar por completo. Afinal, a mobilidade é o que nos faz vivo. A inconformação, as diferenças. (dash, isso tá muito clichê!!!)
Portanto, o jeito que ele vive faz a vida dele desaparecer. Para mim, ele está morto. E ponto. De que adianta "viver" para manter esse arremedo de vida? Eu acho que honestamente me matava, se não experimentasse o novo, se não fizesse o que tenho vontade. É tudo uma questão de perspectiva.
Ah, se você puder, por favor, cheque o meu comentário no poema que está acima do Vinagre Imparcial. (porque eu queria postar no do Vinagre e acabei postando no de cima =P)
Sim, eu sei, tem muita coisa de mim falando lá (ou seja, quase não falei sobre o poema =P), mas digamos que eu não tenho outro meio de conversar com você, e também digamos que eu queria muito fazê-lo. =D

Luciana disse...

Acredito que poemas não são fixos, logo, cada leitor dá seu sentido. Gosto exatamente disso nos poemas.

Esse teu me fez pensar em Chico Buarque e seu "Cotidiano".
Pensei em rotina e que fora dela, o sujeito não sabe pensar em mais nada. Está preso nos domínios do previsível.

Talvez ele seja infeliz nessa vida, muitos podem dizer. Mas quem prova? Talvez ele goste disso, dessa previsibilidade que, apesar disso, o propicia um pouco de cada coisa.


Beijo!! ^^

Dandara disse...

Ele é taurino e não gosta de fugir da rotina. Ou não gosta de pensar. Ou não sabe pensar. Ou não pensa. Ou o pensar dele é aquilo e não importa.

êee

Gabi Petrucci disse...

Sinceramente?
Eu não sei qual sentido isso pode ter... Isso não é ruim.
É que ficou tão simples, mas tão abrangente.
Pode ter tantos sentidos... :T
E eu não consigo dizer exatamente o que me passou! :~
-
Como não dá mais tempo de retribuir o Feliz Natal que vc deixou lá no blog, Feliz Ano Novo! ;)

Karen disse...

Eu gosto mesmo é das suas ícognitas, pô.

Mari Amorim disse...

Venha 2010 e que
Tenhamos
Um novo florescer.
Que não haja trevas
Nem noites insones.
Que diante da dor
Não nos deixemos
Curvar.
Que nas lutas diárias
Haja um brado
De ousadia
E fé.
E que a Sua mão
Senhor Deus
Traga-nos sempre
Um afago
E amparo.
Amém!
Feliz Ano Novo!
bjs,
Mari Amorim

Jay e Alê disse...

Rafael,
Fiquei feliz que tenha passado em nosso blog pra deixar feliz natal e feliz ano novo. Te desejamos tudo isso tb. Afinal faz muito, muito tempo que vc não passava aqui. Espero que nesse 2010, que será cheio de conquistas pra todos nós, que possamos estar mais presentes um no blog do outro.

Quanto ao poema. Me parece que é um homem alienado à realidade. Mediocre e passivo. Pensar nos faz sair da realidade cotidiana, nos faz alçar voos novos. Muito bem escrito e nos levar a pensar até mesmo em nosso vazio existencial.
Abraço e feliz 2010.
Jay

Nessa disse...

Ih filho...moro beeeem longe de vc...em jacarepaguá! rsrsrs

Um ótimo 2010 pra vc!

Bjosss!

Ray Siq disse...

que massa o texto.
simples e diz tudo.

Feliz Ano Novo
super tudo de bom pra vc.
beijoooo

Nadja Reis disse...

Gostei do poema...


uma coisa assim meio Carlos Drummond de Andrade,estou certa?

rs




''Pois tudo que acontecia fora disso não importava.''

as reticências talvez fossem o sentido da vida para o tal homem...


bjoss

Nadja Reis disse...

sou do blog:


htt://absolutamenteeu-nadja.blogspot.com

Lívia disse...

De primeiro eu imaginei que o vazio da rotina dele o fazia ser assim, tão humano, e para um ser-humano afinal, aquilo bastava.
Depois eu pensei que sei lá, que poderia ter algo naqueles pontos, mas só me confundiu :x

HAHA. Mas e aí, o que VOCÊ quis passar?

Larissa disse...

Sabe, esse post me lembrou a música Cotidiano do Chico Buarque. Minha interpretação foi a visão da vida mecânica do homem... a falta do que pensar, a rotina, a alienação.

Um ótimo ano novo!
Um 2010 cheio de coisas maravilhosas :D Suceso, saúde, paz.
E boas festas!

;**

Lu Paes disse...

Rafa!
Senti sua falta, sabia?
Olha só: não tem mais TRinta Livros, ok? A partir de hoje, procure-me apenas nO Hotel: tardesnohotel.blogspot.com !!!
Agora, seu texto: Eu sei que o seu blog é (em uma das versões) some sentido. Mas esse poema foi de uma vida muito sem sentido, não?
É tudo automático. Não há mais razão, apenas ação. E ação por ação não dá em nada. Nem uma única reação! Ok, repetições aqui. A questão é: sem sentido, automático, rob[otico, manipulado, manipulável, seilá!
Como sempre, muito bom. Tem que ser um gênio para escrever assim, honestamente, é o que eu acho.
Lembre-se de mim quando ganhar o Nobel de Literatura, ok?
hahaha
Beijooos da Lu!

ps.: Um ótimo 2010, cheio de palavras e letras que eu analiso errado. ^^

disse...

Todo mundo vai pensar diferente.
Eu vi rotina, comodismo e vazio. Porque as coisas simplesmente acontecem. Não importam. :s
mas sei lá, estou sendo pessimista demais. haha

e fiquei curiosa sobre o que VOCE pensava quando fez. hm

Natália Corrêa disse...

Ele passou a viver no automático e desaprendeu a pensar =D


feliz ano novo seu Rafael :D

Natália Corrêa disse...

Ele passou a viver no automático e desaprendeu a pensar =D


feliz ano novo seu Rafael :D

Aninha disse...

Oi Rafa...
Nossa mesmo ter ficado tanto tempo sem postar aqui eu ainda consegui o 3º lugar do seu top comentaristas. Estranho! o.O

"Pois tudo que acontecia fora disso não importava." Essa é a frase que mais gostei, pois isso mostra que toda a rotina dele basta, a família e o momento em que ele para pra pensar, você não fala no post se ele é feliz ou não, mas a parte em que diz que tudo que acontecia fora daquilo não importava mostra que a família era o mais importante para ele.

Feliz 2010!

bjinhos*/~

Aline disse...

caralho adorei! realmente ele tem uma vida ótima, e não prescisa pedir mais..
só não entendi do que ele pensou rs
:*

fabiosantos disse...

Passo por aqui para desejar um Feliz Ano Novo !!!
Que possamos alcançar todos nossos objetivos!
Que muitos textos possam ser publicados em seu blog, pois é um meio de expressão, que colabora com a forma de pensar da sociedade, pois vivemos em constante mutação!!!

São desejos sinceros, pois,somos uma familia ligada pela rede !!!

Um grande abraço, e nos vemos por aí!!!

Fábio Santos
@fabio_santos

Letícia Alvares disse...

Especulando suas intenções... Bem.. me passou algo de 'cada um no seu quadrado'. Eu não conseguiria ser quadrada assim, ao contrário dele, pra mim é incrível como as coisas importam...

Mas fiquei mesmo foi curiosa pra saber o que ele pensou.

Beeijo!

Letícia Alvares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
nick mendes disse...

Penso que, às vezes, filosofamos, debatemos tanta coisa em busca da felicidade; imaginamos horizontes, lugares ou sentimentos tão complexos e, por vezes, nossa imaginação se torna tão cruel porque nos oculta de sentir; para assim, não nos deixar perceber que a felicidade, muitas vezes ,está em gestos e coisas a fazer realmente simples, bem diante de nossos olhos :)
feliz 2010 \0/
comecei com vontade de mudar o foco de pensar, será que aguentarei muito tempo? rs
beijos

Tary disse...

Olá, adorei o poema. Pensei em muitas coisas lendo... Acho que cada um interpreta de um jeito. Eu vi um cara normal que vive seu cotidiano sem muitas mudanças, mas é feliz, não precisa de mais nada. ;}

Athila Goyaz disse...

Eu vejo esse poema como aqueles da época da ditadura... em que não podia se dizer nada que fosse o contrário e estabelicido..mas que ficou um certo ar de opressão nas entrelinhas...nuss viajei!

hauahuah

Nanuni Kokoritu disse...

Mais um belo poema!

paulo andre disse...

bom, vamos lá!! Sinceramente interpreto os tantos pingos de reticências com um pensamento cheio e inexplicável! Como alguma poesia! Depois de tudo, de toda rotina angustiante e asfixiadora, esse homem demonstrou tanta sensibilidade num pensamento filosófico e poético no único momento desse homem livre de toda sua vida.Mas as reticência direciona ao infinito, ou talvez neste caso o que realmente importa, a escência desse poeta filha da puta, ou simplesmente pensou nos dias que seguiriam! vai saber a direção do infinito?! passe no canonico! belo texto!

Luis Perez Junior disse...

Muito bom. Não vi outro significado além de: só lhe importava a familia...
O que, de fato, é o mais importante!!!
Mais uma vez, muito bom

Luis

Anônimo disse...

Foi triste ver o cotidiano como uma morfina.. a dormência calando a dor.. Essa maravilhosa dor de viver, amar, desejar, querer, lutar, gritar, ser!

Essa incrível sensação de escrever os nossos passos em cima das reticências!


H.Helena.