domingo, 21 de fevereiro de 2010

Os Ensinamentos do Grande Sábio

.
É, enquanto é bom, é bom

Depois, fica ruim
(Sr. Begônio)



O homem viajou até o extremo oriente para encontrar o maior sábio dos últimos séculos.

Economizou durante muitos anos para poder realizar a viajem. Deixou de comprar boas roupas, boa comida, e de passear com a mulher e os filhos, para que pudesse trabalhar amargamente, sem parar, sob a promessa de que encontraria o grande sábio, e que, com seus ensinamentos, pudessem ser muito, muito felizes.

Chegando no país obscuro, se informou sobre como chegar no tal endereço do sábio. O nativo apontou para uma floresta escura e amedrontadora. O homem entrou mata adentro. Passou sete dias procurando o endereço utilizando as instruções fornecidas pelo nativo. "Você deve caminhar até encontrar o leão azul. Depois que matar o leão azul (utilizando um graveto de madeira) achará a próxima coordenada".

O homem encontrou o leão; quase morreu no combate, mas o amor por sua família o manteve de pé. Matou a fera, batendo diversas vezes com um graveto em sua cabeça azul. Depois abriu a boca do animal e encontrou a próxima coordenada. Deveria se jogar do abismo próximo ao lugar onde encontrou o leão, pronunciando algumas palavras que estavam escritas no papel.

O homem caminhou, achou o abismo e se jogou, dizendo "Harere Quirt Apoir Aswertu". No meio da queda foi teletransportado para fora da floresta, na cidade. Na sua frente estava a última coordenada, que dizia: "Ande para frente". O homem andou para frente e bateu com a cara no portão de um prédio. Apertou no interfone onde dizia "GRANDE SÁBIO".

Abriram o portão. Logo antes de entrar, notou que o prédio ficava exatamente em frente ao lugar onde encontrou o nativo que lhe informou como chegar ali.

Subiu até onde morava o sábio. Tocou a campainha. Um homem muito velho, de pele enrugada e barba branca, abriu a porta.

-Mestre, ó, mestre! Que emoção encontrá-lo!
-Ehr, eu não sou o Grande Sábio. Sou seu secretário, Alfred. Aguarde aqui que vou anunciá-lo.

Em momentos, foi levado até a sala do sábio. Havia uma porta muito grande, onde havia escrito "GRANDE SÁBIO". A porta se abre. Em uma espécie de trono, está sentado o sábio.

Para a grande surpresa do homem, o sábio nada se parecia com o que imaginava. Não tinha cara de oriental, fazia mais um tipo alemão ou francês. E não era velho, devia ter uns 30 e poucos anos. Também não possuía uma imagem fragilizada, muito pelo contrário, possuía a pele queimada de sol, e certamente praticava musculação. Suas roupas eram contemporâneas e ocidentais, extremamente na moda, como se estivesse para sair na noite.

O homem entrou num estado de choque quando viu o Grande Sábio:

-Mas eu pensei...
-Já sei, é o que sempre me falam os poucos que conseguem chegar aqui. Como você demonstrou merecer o nosso encontro, irei partilhar meus mais profundos conhecimentos com você.
-Sim, sim! Por favor!
-Pois bem... em primeiro lugar!
-Sim, diga!
-As coisas... são.
-Sim, claro, as coisas são!!!
-Fique calmo, ainda não terminei.
-Oh, desculpe.
-As coisas são... ou não são. Podemos dividir o Universo entre as coisas que são, e as que não são.
-Entendi. Digo, entendi o que disse, mas não o significado.
-Não precisa compreender agora. Com os anos, vai fazer sentido.
-Entendo...
-Em segundo lugar: sendo que algumas coisas são, e outras não são, concluímos que: tudo que é bom, é bom. Depois, fica ruim.
-É verdade, como nunca havia pensado nisso.
-Você não é um sábio.
-Sim, é verdade. Por favor, Mestre, diga mais!
-E por último, também podemos concluir que: 1+1=2.
-Sim, mas... disso eu já sabia.
-Claro, o que você não sabia é que isso é uma consequência das outras coisas que falei.
-Entendo.
-Bom, é isso.
-O que?
-O que eu tinha pra falar.
-Você diz que... não tem mais nada a ensinar?
-Não, nada. Você não precisa saber de mais nada.
-Mas isso é ridículo! Quer dizer que me esforcei durante anos, quase morrendo para conseguir chegar aqui, só para ouvir essas coisas ridículas???
-Elas não são ridículas.
-São sim.
-Alfred, diga a ele que estas coisas não são ridículas.
-Sim, senhor. Essas coisas não são ridículas.
-Ouviu?
-Claro que ouvi. E daí? Só por que Alfred disse, as coisas deixam de ser ridículas?
-Sim. Alfred sabe das coisas. É um homem muito sensato.
-Eu também sou sensato e estou dizendo que o que disse é ridículo.
-Bom, não posso fazer nada mais por você. E, aliás, você nem pode reclamar.
-Ah, é? Por que?
-Ninguém lhe obrigou a vir até aqui. Veio por que quis.

O homem voltou para casa e reencontrou sua família. Ele contou sobre as coisas que o Grande Sábio falou e eles viveram felizes para sempre (apesar de nunca saberem se foi por causa dos ensinamentos do Grande Sábio ou não).




-------------------------------------------------
Vejam no
http://descemaisum.blogspot.com/
Sentimentos Holográficos - ou - Os Crânios Macios


18 comentários:

Athila Goyaz disse...

Interessante como as vezes temos que ouvir as leis da vida para seguirmos em frente!

Jaíce Cristina disse...

Hilário!! Muito criativo e interessante! Aprendi muito com isso! Hahaha!

Rafael Cotrim disse...

haha, interessante como sempre, rafa.

Abraços.

Henrique Miné disse...

E tem gente que tem mesmo que saber disso.

Talvez o velho-sábio foi sábio a ponto de dizer todas as coisas ridículas que o homem precisava saber, afinal, os velhos-sábios são assim, não é mesmo?

abraço.

Ale Sbano disse...

É..ele não foi obrigado a ir até lá,então não tinha do que reclamar!!
Criativo...!

Lisa Alves disse...

profundamente patafisico... rs

Ferdi disse...

GRRRRRRRRRR.. RAFAEL DO CÉU!
Seus textos são muito bons, ok, muito bons.. Até deixarem de ser.

Flavih Jones disse...

Mtoooo boom.
Adorei.

=D

Paulo Braccini disse...

muito bom mesmo ... até deixar de ser ...

o ser humano é assim ... tudo o que é simples e importante ele acha ridículo ... daí a razão maior de sua infelicidade latente ... para ele a felicidade tem que necessariamente ser difícil ... enfim ...

PS: havia esquecido de colocar o link da VACA ... rs ... já corrigi isto por lá ... http://peloamordavacajersey.blogspot.com/

bjux

;-)

Stafany Batista disse...

MUITO BOM!
Talvez esse homem não compreendeu o que o sábio quis dizer, mas quem sabe não tirou isso como experiência de vida. Quem sabe ele descobriu que não é necessário ir tão longe para encontrar a fórmula da felicidade, basta olhar ao seu redor e percebê-la nas coisas simples da vida.
Não?

Desce Mais Um! disse...

Obalalá.

pacheco disse...

Gostei muito! Texto muito engraçado com uma boa mensagem =D

Abraços!

Edilson disse...

Querido Rafael:

O que dizer? Afeeeeeeeee...hahahahaha. O homem quase morreu para descobrir que o que precisa para ser feliz é enxergar as coisas como são, não é mesmo? Abraço querido, bacana o texto.
www.lua2gatos.blogspot.com

Sam disse...

puts achei teu texto bom... gosto dos teus textos *-*

Lídia disse...

Oi Rafael...tudo bem?
Vim aqui agradecer a visita lá no nagulha!
Seja sempre muito bem-vindo...
Aqueles chaveiros que você viu lá, eu faço sob encomenda também (de acordo com o gosto da pessoa), então se quiser...só gritar tá? hehehe...
"Há braços"!
(:

Geo disse...

Obrigada pelo comentário , parabéns pelo Blog (:

gabriela m. disse...

ensinamentos que nunca se esquecem...

mais um template efêmero.

Tatá R. da S. disse...

Que viagem.. Engraçado que eu achei que ele pararia aqui em casa... Huhahuaha. u.u
Beijos!