domingo, 28 de fevereiro de 2010

Representação dos Espelhos

(clique para aumentar)




Fico sob mim
Enquanto estou sobre a minha cabeça
Piso nos meus próprios pés

Posso me ver
Enquanto o outro eu me retorna o olhar
Pois nós somos o mesmo

Estou atrás de mim
Ao mesmo tempo que estou
Em frente à minha forma

No infinito distante
Vou ao meu próprio encontro
Num tempo e espaço incertos

Todas as minhas representações
Quando se encontram
Nada mais são

Desaparecemos



------------------------------------
Vejam no
http://descemaisum.blogspot.com/
Uma fábula kafkiana

24 comentários:

Paulo Braccini disse...

#momentoKafikafkiano mesmo eim?

nos fechamos tanto até o ponto de nos desintegramos por completo ... tenso isto ...

bjux

;-)

Katrina disse...

Fujo de espelhos, prefiro não saber como sou

Laís Dourado disse...

Complicado isso de 'quem sou eu'. Principalmente quando quem eu acho que sou, briga com quem os outros que sou e o que eu de fato sou..ufa. Acho que não somos, estamos.

Michele disse...

E nem sempre é fácil enxergar-se no espelho, conhecer nossos vários "eus" e encarar o que somos de fato, não o que nos fazem acreditar...

Um beijo, moço!

;)

Tiago Fagner disse...

Sempre que venho aqui tenho uma surpresa diferente, cara tu tem um jeito todo particular de escrever e sobre várias não-obviedades. Sou teu fã!

A foto é foda tb!

Gêsa disse...

Concordo com a Lais, comentário acima, não somos estamos. É difícil ser quando as coisas tanto por dentro quanto ao redor mudam com tanta frequencia.

Ale Sbano disse...

Não se reconhecer é o pior né?Ter uma imagem distorcida do real,e não saber se estamos sendo o que esperam de nós...

Athila Goyaz disse...

Me Lembrou Rita Lee:

Eu e Mim

No espelho não é eu, sou mim.
Não conheço mim, mas sei quem é eu, sei sim.
Eu é cara-metade, mim sou inteira.
Quando mim nasceu, eu chorou, chorou.
Eu e mim se dividem numa só certeza.
Alguém dentro de mim é mais eu do que eu mesma.

Eu amo mim
Mim ama eu


abraços

Letícia Mariano. ღ disse...

Imaginando vc meio/quase/completamente chapado olhando pro espelho e filosofando (afastando, chegando perto, tentando não olhar no seu próprio olho, coisas assim)... hauahuahuahuahua


Adorei o poema... muito interessante!

Lembra um jogo que fazemos muito em aula, de espelhar o outro. xD



Beeijocas!

Ferdi disse...

Nossa, que foto foda!
E, é, a gente está sempre mesmo pisando em nós e não sendo além do que a fina camada de prata nos mostra.

Henrique Miné disse...

penso se você fez o texto ou a imagem primeiro...

Alexsandro S. C. disse...

10, pelo conjunto da obra. *rs* Comentário besta à parte, gostei muito, Rafael.

Essa ideia de se olhar no espelho no passado me foi muito cruel. Hoje eu acho necessário. E por vezes a crueldade, intacta, acenando pra uma figura estática.

Fez falta no último Corujão daqui, rapaz. Acho que amanhã vou ao Leblon.

Abraços,
Alex.

Tatá R. da S. disse...

Pois na verdade você não existe, quem existe é a pessoa do outro lado do espelho.
Beijos, Fafa san, foi bom voltar. ^^

Ray Siq disse...

Uii que incrivel!
espelho às vezes é um saco

beijoo ;**

Juliana Porto disse...

Tenta escrever como não entrar aqui e aplaudir.
Du-vi-do!

Beijão.

Juliana Porto disse...

Sou eu mesma na foto, Rafa!
Obrigada.
=****

Mai disse...

Caramba, Rafael, um jogo de espelhos, um sobe desce, um surto de imagens sobrepostas.
Este texto me jogou rapidinho num filme com aquele jogo de câmeras que enlouquece. Abraços

Tatiane Garcia disse...

Bom dia Rafael...passei pra agradecer sua visita no sopa de Letrinhas! volte sempre!!!

Quanto aos espelhos, pra mim há dias em que são meus melhores amigos, em outros quero distância deles. mostram o que quero esconder de mim mesma...(confesso que isso normalmente é TPM)

Beijos!!!

Juliana Oliveira disse...

Obg pela visita...mas digamos que quando estou triste o que me conforte é escrever..Feliz tbm é claro mas quando não temos para onde correr, é na escrita que me agarro
Beijos!

@vitinhobinho disse...

Penso que talvez ninguém consegue conhecer a si mesmo. Adorei essa linguagem meio épica do texto. Senti saudades de escrever dessa forma. adorei o blog aqui =)

little J. disse...

adorei seu jeito de escrever, único!

vitrola disse...

E ae, blz?

carácoles! rs
Andei lendo umas coisas suas. rs
Achei surpreendentes. Li "Amores efêmeros 3", dei risada.

Vi os espelhos adornados das palavras, fiquei sentida.
E assim eu fui, pra lá e pra cá.
Vc é elástico. rs

bjones!

Deyse Batista disse...

Me ensina a escrever? Linda poesia <3

Anna disse...

Um momento corriqueiro torna-se um poema interessante.
beijos