domingo, 4 de abril de 2010

A Minha Rua

.
A rua está cheia de pessoas
E elas todas estão ali
Na rua

Todas ficam ocupando o espaço
Que saco
Gosto de ter todo o espaço da rua
Só pra mim

-Saim da rua, ela é minha!

Mas as pessoas parecem não dar muita bola

Então saco o meu revolver
Todos ficam assustados e se afastam de mim
AHAHAHA, como sou poderoso
O meu revolver tem o poder de dominar
E ordenar.

Vou amar o meu revolver
Para sempre
Ele me dá conforto e confiança
E faz as pessoas me respeitarem

Com a força dele, e a minha inteligência
Vamos dominar o mundo
Assim, poderei deixar a rua só pra mim

Para que eu fique só
Sem ninguém por perto pra dar saudade





---------------------------------------------------
Vejam no Desce Mais Um:
http://descemaisum.blogspot.com/2010/04/poema-da-puta.html
Poema da Puta
Um lindo poema sobre uma puta. É.

31 comentários:

M.F. disse...

Isso me lembrou a musiquinha "se essa rua, se essa rua fosse minha..."

E um revolver é realmente uma ótima bengala hoje em dia.

Henrique Miné disse...

haha, que poético cara.

o que um trauma não faz :S

abraço.

Pedro Antônio disse...

Ei, Rafa!

Valeu!

Te espero por lá, na Torre.

Um abração.

Pedro Antônio

Rafael Only disse...

gosto de andar no meio da rua, mesmo quando vem carros... me dá sensação de liberdade. Só que eu prefiro facas.

Isis disse...

Cuidado, ele está armado !

ahahha.
Contraditório.

-----

Quanto aos DVD's, eu tô aceitando ^^

Athila Goyaz disse...

é assim que os criminosos pensam hehe
Você é genial! abraços!

Vitor Chuva disse...

Olá Rafael!

Olhe que um revólver não nos faz ganhar respeito, mas sim temor!
E tem assim tanto temor que alguém tenha suadades suas?

Um abraço!
Vitor

Paulo Vitor Cruz disse...

"Se essa rua, se essa rua fosse minha..." eu acho q mandava ver uns tiros tbm... risas...

abs grande.

Daninha disse...

Que cara mais egoista hm*
Nossa se todos tiverem uma arma para se sentirem respeitados, o mundo vai ficar mais louco do que já é...
Beijos

Varda disse...

Em pensar que existem muitas pessoas que amam o seu revolver e esquecem de amar a vida oO

Tiago Fagner disse...

Essa poesia é bem a margem do belo,do lírico, mas é bonita. E como eu sempre falo qd leio um texto teu tem uma boa dose filosófica, ou vai ver sou eu que gosto de ver assim!

Abração!

Lara Amaral disse...

Provocar a solidão para não se sentir alvo dela.

tossan disse...

Os trafics começaram assim mesmo viu? O poema é bom mas muito perigoso. Abraço

Mai disse...

Pareceu-me uma música, um Rock pesado. Na percussão...BALA!
Mas pensando sob a ótica
socio[lógica] não há lógica alguma, não há diálogo ou razão.
Tudo é só EGO e é patético.

Gosto desse efeito de encadeamento.
bjos.

P.S.
Então tu tb tens piano, hein?
Imaginava uma guitarra ou bateria.
Até nisso tu surpreendes.

nath. disse...

Coisa mais sentimental, uau. :)

Daniela Filipini disse...

Seja mais humilde, compartilhe sua rua.. *-* SEHUSEHU

L!mOnadah ♥Slemom X♥ disse...

Meu vc sempre arraza! :D

Parabéns de novo! ^^

Gabi Petrucci disse...

Cara, você tem que ler O Cobrador, do Rubem Fonseca, é a tua cara! :b

Beijo

Natália Corrêa disse...

Poxa, eu achei lindo! =D

Eu também queria uma rua só pra mim, mas não tenho uma arma :/

(esse poema daria uma ótima reflexão social :D)

E eu tinha dado um tempo no blog mesmo :x estava tendo uma crise existencial, mas acho (acho) que superei :B

Tava com saudades daqui *-*
Vou ler seu lindo poema sobre uma puta agora :D

Desnuda disse...

É isso aí, Rafael...O final diz tudo.


* Nesta foto do perfil a luz está acesa! Quanto a acender e a apagar até queimar...Ótimo..você quem troca a lâmpada, não é mesmo?

Obrigada pela visita e... Desarmado!

flaviadoria disse...

Happiness is a warm gun.
Bang bang shoot shoot.
´Brigada pela visita, muito arrumadinho o seu blog.
x

Letícia Mariano. ღ disse...

Que lindo, Rafael, realmente lindo! O final foi surpreendentemente sensível... achei que seria uma de suas matanças bem sangrentas, com braços voando e bebês comendo gente! (rio alto)

Nem sempre a solução mais fácil é a melhor. Acho que prefiro a saudade... :/



beijocas, Rafael!

Milena' disse...

Não fuja da saudade, ela faz parte. Larga o revolver.
Bem cheio de entrelhinha seu blog. Muito bom =)
:*

Ferdi disse...

Nossa, não me trate assim, eu me sinto como ele.

Jéssica Trabuco disse...

poétiicoo e forte!

gostei :)

Tatá R. da S. disse...

As pessoas não te respeitam, apenas o temem. u.u
=***

Camila disse...

gostei, mas um tanto egoísta :)

gabriela m. disse...

quando tiver a rua toda pra você, sem mais ninguém pra sentir saudade, você vai sentir saudade da rua cheia de gente.

é sempre assim. a maior briga pra depois voltar atrás :x

Nathi disse...

*_*
Obrigada pela visita! ;D

Adorei a sua intensidade. Add aqui!

beijos

tico disse...

e é bem assim que ocorre com o pais. alias, com os países!

Gabriela Awbooc disse...

Ai, Rafael, teus textos sempre me fazem sentir que tem um bicho no meu estômago. Quando vi, pensei: "Oba! Hoje tem um poeminha leve sobre a rua e os amiguinhos e rodinhs de ciranda."
Ah, como eu sou inocente.
E frívola.

...
Talvez, às vezes. Geralmente, eu teria gostado mais.