domingo, 31 de outubro de 2010

Eleições em Trangabuja

Em Trangabuja, os ânimos estavam muitos exaltados; era dia de eleição. Era já o segundo turno e as pessoas se preocupavam muito com o resultado do pleito. Com o passar das semanas, as discussões entre eleitores de candidatos diferentes se tornou um tanto acalorada. Num caso de discordância ideológica, o que seria uma simples conversa acabava se transformando num assassinato não premeditado. Diversas confusões e porradarias aconteciam a todo momento, não se podia mais caminhar sossegado pelas ruas.

—Por que você matou aquele cara com uma marreta de quebrar concreto e ficou batendo em sua cabeça até transformá-la em uma gosma vermelha?
—Ah, não sei... cara, você tem que entender, fiquei um pouco alterado. Ele não tinha cara de que ia votar no Glonzius.

Apesar do clima bélico, as pessoas saíram de suas casas e, caso não tenham sido assassinadas no caminho até suas zonas eleitorais, votaram. Havia duas possibilidades: os candidatos Glonzius e Catrapilas. Apesar de suas propostas governamentais serem extremamente semelhantes, de os dois prometerem as mesmas coisas, e de seus partidos serem igualmente corruptos, os habitantes de Trangabuja insistiam em guerrear energicamente por seus candidatos preferidos.


O Glonzius é o mais bonito e sensual. E, além disso, veja só, ele canta ópera! Não ouviu ele cantando no horário eleitoral?
Sim, ouvi. Mas prefiro Catrapilas, ele pode não ser tão bonito e sensual, mas pelo menos ele canta funk com muita delicadeza, feito um lorde inglês.


Em Trangabuja, além de suas propostas de governo, os candidatos deveriam demonstrar suas capacidades físicas, pois, para governar um país deve-se estar preparado para tudo, inclusive para combater o inimigo numa eventual guerra. Os candidatos apareciam em seus programas eleitorais fazendo musculação, com seus corpos besuntados de óleo. Vários closes eram dados em seus corpos, demonstrando como determinadas áreas de seus corpos eram muscularmente desenvolvidas. Cada candidato exibia seu órgão sexual, e, através de imagens alteradas por computação gráfica, diziam ter o maior pênis e as maiores bolas, pois isso indica alta capacidade viril de liderança. Os candidatos então apareciam espancando uma pessoa até a morte, exibindo seus dotes de força e maestria nas artes marciais, afinal, um presidente precisa saber punir alguém que o traiu.


—Pra mim, presidente tem que ter pau grande, pelo menos 19cm. Fala sério, o cara vai ter que comandar uma nação!
—É, bem, não sei se isso realmente importa... diria que o tamanho das bolas é mais importante.


Visando alcançar as camadas mais jovens, os candidatos apareciam fazendo coisas como jogar jogos de video game extremamente violentos, falando como haviam zerado determinado jogo diversas vezes no nível hard. Na night, pegando garotinhas, demonstrando sua lábia e virilidade. E outras coisas tipo saltar de paraquedas, ou domar leões. Visando alcançar as camadas mais velhas da população, apareciam fazendo coisas como jogar xadrez ou bocha, ou então parados em suas casas, sem fazer nada, com cara de sofrimento.


—Veja bem, Glonzius admitiu que, realmente, seus funcionários comem cérebros de crianças entre 1 e 3 anos de idade, e que eles as têm sequestrado em portas de creches municipais. De qualquer forma isso não importa: embora ele tenha dito que não vai afastar os funcionários, ele reconhece que eles erraram, afinal, errar é humano. O que importa é que ele vai nos ajudar. Prometeu construir mais creches municipais.
—Ah, sim, claro, ele é, de fato, um ótimo candidato.



***


Após o término da votação, os votos começaram a ser contados. Estavam acontecendo diversas festas por todo o território de Trangabuja, cada qual designada para celebrar a vitória de um dos dois candidatos. Nessas festas, além de comidas e bebidas, eram distribuídas armas para que, no caso do outro candidato ganhar, as pessoas pudessem sair pelas ruas assassinando quem tivesse contribuído para isso acontecer.

Telões exibiam a apuração em tempo real e a todo momento as pessoas gritavam e urravam o nome de seus candidatos. Com o passar das horas, pôde-se notar que a diferença de votos seria muito pequena. Até que a apuração terminou e um grande silêncio sepulcral se instalou pelo país. O noticiário informava que ambos os candidatos receberam, exatamente, 51.456.769 votos. Havia dado empate. As pessoas ficaram um tanto confusas, isso nunca havia acontecido antes, a chance disso acontecer era, obviamente, ínfima.

Até que o presidente do TSE apareceu nas telas de todo o país dizendo que, de acordo com uma lei muito antiga, os candidatos à presidência, caso empatassem numa votação de segundo turno, deveriam duelar até a morte. A população soltou urros de alegria.

Então, cada candidato se encaminhou para o local designado para o confronto, um ringue de luta livre, desses com grades em volta, de forma que nenhum deles pudesse escapar. O juiz chamou os dois inimigos ao centro e disse que de acordo com essa antiga lei, esse combate não possuía regras. E deu inicio à luta.

Os candidatos se espancaram loucamente. Vários eventos aconteceram ao longo de um combate tão sangrento quanto nojento, como a dilaceração do órgão sexual do outro com os dentes, o espancamento do ânus do adversário, o arrancar de dedos com auxílio dental, o urinar na face do oponente. O combate demorou horas e horas. Após algum tempo não se podia mais ver o chão do ringue, estava coberto de sangue, urina, fezes, cabelos e roupas dos adversários. Até que num determinado momento os candidatos correram um em direção ao outro e chocaram suas cabeças. Como seus crânios estavam muito fragilizados devido a diversos espancamentos e esmagamentos, suas cabeças explodiram com o choque, matando os dois candidatos na hora.

Após alguns momentos, nos telões espalhados pelo país, apareceu o presidente do TSE dizendo que, de acordo com a tal antiga lei, caso os dois candidatos falecessem durante o combate, que o novo presidente do país seria um chimpanzé. A lei também dizia que o presidente do TSE que iria escolher qual chimpanzé iria assumir o cargo. Sorrindo, ele exibiu o chimpanzé que seria o novo presidente do país. Então, sorrindo, o chimpanzé jogou um bolo de bosta na sua cara.


29 comentários:

Bianca Bigogno disse...

Posso repitir o comentário e dizer mais uma vez que você é surprendente? Nossa!

Sem regras... Seus candidatos jogaram sujo e tranformaram esta eleição numa imundice. Bom, não foi muito diferente do que aconteceu né... Essa campanha presidencial foi uma baixaria.

Vamos ver agora qual dos chimpanzés vão assumir o comando desse país e eu espero sinceramente que eles não joguem bosta nas caras.

Parabéns mesmo Rafa, muito bom!

Gabriela Petrucci disse...

É triste saber que Trangajuba se parece muito com o nosso país, mais triste ainda é saber que se as nossas eleições terminassem em um combate sem leis, terminaria com menos baixairia (!).
A grande diferença é que seja qual for o vencedor, estaremos nas mãos de chimpazé de qualquer jeito!


beijo

gabs. disse...

com certeza, o chimpanzé governará com muita astúcia, não?

--

votei :*

Henrique Miné disse...

é a festa de democracia! \o/

Isie Fernandes disse...

Oi, Rafael!

Ainda não li o conto, mas gosto muito do seu jeito escrever, você é solto e isso é legal. Voltarei logo, ando meio atolada de trabalhos da faculdade... =S

Sobre o voto, já passei por lá.

Boa sorte!

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Rafael
Parece que eu conheço esse lugar.
Bjux

Paulo Braccini disse...

Clap clap clap ... e vivas às terras tupiniquins ...

Obrigado pelo alerta a respeito da disponibilidade do vídeo ... já troquei ...

bjux


;-)

KINHA disse...

Olá Rafael

Vim agradecer a visita, o comentário e deixar mais um voto aqui, obrigada.

Bjo

. pamela moreno santiago disse...

SHAUSHAHSUHAS. vou morrer não. só se for por excesso de amor *-*

beeeijos e obrigada pela visita.

Sasha Portrait disse...

seus contos são toda a realidade distorcida de forma ainda verdadeira. não tem como não gostar.

tossan® disse...

Quase igual a da realidade onde os perdedores votaram num bem bom e os ganhadores votaram numa pior aceitando as mesmas migalhas e atrasando o país. Texto lega! Abraço

Doce Melodia disse...

Oi!
Agradeço por vc visitar meu blog!
Cá estou, seguindo vc.
Volte sempreeeeee!
Bjooos!

Merlaine Garcês disse...

Olá Rafael!
Obrigada pela visita e comentário!
Seguindo-te!
Me siga também!
Bjs!

Daninha disse...

Bom não muito diferente do seu texto todos vimos o rumo que tomou essa eleição, onde os candidatos estavam mais preocupados em falar mal um do outro do que mostrar propostas e melhorias para a sociedade.
Uma grande pena.

Beijos

Tatá R. da S. disse...

HUHAUHAUHUAHUHUAHUHUAHUHUAHUHUHAUHUAHUHAUHUHAUHUAHUHUA. FALESSY.

Dei altas ridadas, acho que é por que vi grande semelhança com a realidade por mais absurdo que seja.
Vamos deixar um chimpanzé governar o país, inteligência e estudo nunca foi importante mesmo...

Belíssimo, Rafa. Obrigada pelo entretenimento mais uma vez.
=*

Hugo Sheikispir disse...

Será que no Brasil temos um chimpanzé político? Favor comunicar ao chipanzé a sua candidatura nas próximas eleições... Já que presidente mesmo só serve para ouvir opinião dos ministros... tanto faz... Chipanzé pelo menos não opina... joga merda na cara do Mantega e do Meirelles... KKKK... Muito bom o texto (eu nem li tudo... Rsrs), mas gostei do que li! Até mais!

Elton... disse...

Falou tudo, principalmente no final... Infelizmente isso não é ficção.

Marina disse...

Oii! Achei seu blog tão legal, dei uma lida em posts anteriores e gostei mesmo
Parabéns!
depois me visita! http://rabiscoemnuvens.blogspot.com

bjss!

Tiago Fagner disse...

Esse post teve muito SOM e SENTIDO, com o perdão do trocadilho rapaz. Muito bom. Abração!

Edu disse...

É, vc só esqueceu de uma coisa:

"E todos viveram felizes para sempre em Trangabuja"

Mto bom meu querido!

Abraç

Erica Vittorazzi disse...

Você sim, escreve bem.


Adoraria que o meu país fosse governado por um chimpanzé!

Genial, Rafa!

Beijos

Bianca Fernandes disse...

Obrigada por passar no meu blog, adorei o seu tb *-*

Vital disse...

doidão.

viva o polegar opositor.

abraço.

Athila Goyaz disse...

No fim todos os políticos são iguais!
Adorei!
Abraços!

Atreyu disse...

O macaco é o cara! FATO

''Tay' disse...

Uol, pirei pra esse macaco.
adorei o texto.

bjus =*

Má Midlej disse...

Muito bom! A gente vai lendo até o fim sem perceber. hahahahaha
Essa do chimpanzé foi genial!

E cara, preciso dizer: sua capacidade de inventar nomes é singular kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ;)

beijo beijo beijo MUITO BOM!

Jota disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
no início eu pensei que era história real
aeoaieiaeiaieaieiei

abração mano (:

Thiara Ribeiro disse...

Trangabuja/ Brasil?

Caminhamos para isso, né?

Próxima eleição, sou a favor de um chimpanzé!

:)